Pular para o conteúdo principal

Antônio Viturino, Moleque

Antônio Viturino, Moleque
Antonio Viturino, conhecido por “Moleque” é uma das pessoas mais simpáticas e conhecidas da nossa cidade. No auge de seus 77 anos, casado com dona Maria de Souza Viturino e pai de cinco filhos (Galba, Marquinhos, Dalvina, França e Raimundo) - de sapateiro a jogador de futebol e músico, fez de tudo um pouco na sua vida.
Começou a trabalhar muito cedo, aos doze anos de idade. A profissão de sapateiro quem lhe ensinou foi Toinho Leiteiro, ofício que ainda hoje exerce todo sábado na praça da rua Manuel Jesuíno, por trás do Poliedro Hotel no centro de Esperança.
Neste ponto está há mais de 40 anos, consertando sapatos, pregando solas e dando aquele brilho. O zelo é tanto que os calçados nas mãos de Molelque parecem novos. Mas só trabalha até as onze horas do dia. “Meu horário é especial!”, diz todo satisfeito.
Seu Antonio lembra das antigas oficinas que empregavam muitos artesões na cidade. As sapatarias de Joaquim Galdino, Benedito e Michelo, eram as mais equipadas. Na época esta era a principal atividade do município, daqui saiam sapatos para Araruna, Cacimba de Dentro e Alagoa Grande. Na segunda-feira os sapateiros costumavam se vestir de branco e festejar a sua tradicional folga.
Trabalhei com Michelo na rua de Areia e Joaquim Galdino aqui mesmo quando este beco era mais estreiro. A segunda para nós era dia de São Sapateiro, ninguém trabalhava, passávamos o dia ouvindo música e tomando umas pela cidade”, comentou.
Nas chuteiras ele dá um trato todo especial, talvez lembrando os bons tempos do antigo “Campo de Lagoa” quando o América ainda era cercado de aveloz: “A madeira, quem deu, foi Sindulfo Alcoforado, o major da Maniçoba que era cunhado de seu Edmilson Nicolau. E nós fomos buscar lá no sítio”.
Moleque jogou no América de Zé Ramalho e no Santa Cruz de Gino como volante, e atuou na equipe de Humberto de Michelo o que lhe trás grandes recordações. Foi dele o gol de empate no final do segundo tempo na partida que o “Mequinha” disputou contra o Itabaiana, que terminou 2 a 2.
Mas na sua opinião um dos melhores resultados foi o score de 2 x 1 do América contra o Ingá de Bacamarte, time do maestro José Alves.
Apesar de aposentado, Moleque ainda toca pratos na Filarmônica 1º de Dezembro, sendo um dos músicos mais antigos da banda. Nesses 37 anos em que participa fez diversas  apresentações pelo Estado, colecionando juntamente com os demais integrantes as seguintes colocações: 1º Lugar em João Pessoa; segundo em Bananeiras e terceiro na cidade de Areia.
Por todas essas qualidades seu Antonio Viturino é merecedor desta nossa singela homenagem; um homem de fibra que vive do seu trabalho e para sua família, e que apesar das dificuldades enfrentadas não se deixa abater.

Rau Ferreira

Referência:

-         Antonio Viturino. Entrevista concedida em 16/10/2010, às 10h30m. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…