Pular para o conteúdo principal

Dogival Belarmino Costa

Dogival Costa
Dogival Belarmino Costa, Dogival Costa como era mais conhecido, nasceu no dia 20 de abril de 1908, sendo filho do casal Silvino Belarmino da Costa e de Ana Pereira da Costa.
Casou-se em primeiras núpcias com Rita Dias Costa, tendo por sogro o famoso Candido Raimundo Freire, um dos homens mais ricos da antiga Vila de Esperança e um dos primeiros a possuir um rádio receptor.
Viúvo, contraiu segundas núpcias em 10 de Outubro de 1955, pelo regime da comunhão de bens, com a Sra. Maria das Neves Cunha, nascida em 10/10/1923, filha de João Celestino da Silva e de Carolina Maria da Cunha.
Com o matrimônio, sua cônjuge passou a chamar-se Maria das Neves Costa, que junto com o marido assumiu a comercialização de tecidos nas feiras livres e logradouros públicos. Mais tarde ela tornou-se uma importante artesã e fomentadora das atividades culturais de nossa cidade e professora da Escola de Artesanato local.
Como comerciante de roupas e tecidos, Dogival Costa fixou residência na Rua Juviniano Sobreira, nº 144, cuja residência faz um “L” com a rua Senador Epitácio (rua do boi).
Foi nomeado 2o Suplente de Juiz de Paz em 1948, e reconduzido pelo então Governador para o quatriênio seguinte.
Na política, exerceu a presidência local da ARENA (Aliança Renovadora Nacional), partido político surgido nos idos de 1965. E assumiu a vereança entre 1963 e 1969, pelo Partido Democrático Cristão[1] (PDC), como o 3o mais votado.
Embora não constem dos arquivos do Cartório Eleitoral, registros históricos dão conta de que ele assumiu a vereança de 1949 à 1953, pois naqueles tempos as eleições não eram uniformes nem gerais, e muitos assumiam os cargos por delegação.
Foi ainda vice-prefeito na gestão de Antonio Coêlho Sobrinho (1969-73).
Ele foi um grande incentivador para a permanência do ‘SESP’ em Esperança, além de haver assumido a presidência daquela casa legislativa por longo período.
Tornou-se membro da Aug.: e Resp.: Loja Maçônica “Branca Dias”, Nº 01, da Grande Loja do Estado da Paraíba, com sede em João Pessoa, galgando o 12o Grau de Mestre Maçon.
Faleceu em sua residência no dia 18 de Setembro de 1979, às 6:00 horas da manhã, vítima de insuficiência cardíaca (enfarto do miocardio), atestado pelo médico Manuel Cabral de Andrade Júnior, e foi sepultado no Cemitério público desta cidade.
Contava 71 anos de idade e deixou os seguintes filhos: Nilzo, Everaldo, Fernando, Elza e Elzo.

Rau Ferreira





[1] O PDC local surgiu em 1962, juntamente com o PDT, para disputar as eleições municipais do ano seguinte

Comentários