Pular para o conteúdo principal

Reminiscência: A Festa da Padroeira


Celebrando e Resgatando*

Em um dos noitários da festa dedicada a nossa querida Padroeira NossaSenhora do Bom Conselho, e logo após a quermesse, passei a dar umasperambulantes voltas pelas Ruas Manoel Rodrigues de Oliveira e a Dr. Solon deLucena locais escolhidos e privilegiados como sempre para o funcionamento dafesta social por se tratarem de ótima localização no mapa urbano. E, olhandopara todos os lados me senti como um “Naviono meio de um oceano” numa noite iluminada. Ruas desertas, barracas vaziase parques sem movimento. Sem falar dos jogos de azares “trinta e seis” e “esplandins”(jogo de bozó), além, das barracas de tiro ao alvo, bazares e  lanches que já estavam fechadas.
Encontrei-me posteriormente com seu Antônio da “Eletrônica Barbosa” eJosé Armando, filho do finado “Geraldo da Cocada” e começamos a conversar sobrea realidade do momento, onde, estes, através dos seus conhecimentos empíricoscomeçaram a discorrer sobre os tempos passados e dos acontecimentos tradicionais,históricos e inesquecíveis que viveram durante todo período festivo no passado.Ah! Bons tempos que só retornam em nossas lembranças tantas vezes adormecidas.As coisas acontecem, o tempo flui de modo inexorável e a gente num processoremisso remanesce tudo.
Era uma multidão passeando de uma rua para outra que se batiamconstantemente pela falta de espaço tanto nas calçadas como pelo meio das ruas.Todas as noites de novena tanto a Igreja ficavam totalmente lotada como o pátioque fica a sua frente. Milhares de devotos vinham em procissão  de todos os sítios da zona rural e dos quatros cantos da cidade em direçãoao Santuário Sagrado, alegres, cantando, rezando e glorificando a Mãe de Deus pelas suas festividades.
 Terminada a Santa Missa todoscorriam para ver o famoso Pastoril e as lindas garotas que faziam parte docordão vermelho e do cordão azul numa espetacular demonstração com cânticos eespetáculos teatrais. Nas tão esperadas noites de pavilhão Esperança em peso se fazia presente. Todas as autoridadescivis, militares, judiciais e religiosas do município eram convidadas parasentar-se as mesa para contribuírem com a festa através de suas participaçõesnos dos leilões, nas bebidas e comidas. Os “Executivos” faziam questão departiciparem e colaborarem, além, de serem os convidados especiais paraassumirem o cargo de paraninfos das lindas garçonetes, estas, que todas asnoites tinham um paraninfo diferente e, eram convidados aqueles que tinhamrealmente um poder aquisitivo relevante para ajudá-la a ser a Rainha ouPrincesa, pois, ser Eleita á Rainha ou à Princesa da Festa, não era pela suaboniteza ou elegância, mas, era aquela que mais vendia e mais apurava.
Falar da festa social é falar da inesquecível  barraca de cachorro quente de seu “Olívio Damião”e do seu Parque. Da barraca de cachorro quente de Manoel Freire, mais conhecidopor “Manoelzinho da Barraca”. Do famoso “Parque Maia” que além das diversõestinha um serviço de som altamente espetacular que abria a festa, e tinha comooperador um Sr. Conhecido por “Luiz” que possuía uma brilhante voz, onde,saudava e acolhia todas as autoridades esperancenses, visitantes, e convidados,e todos que o escutava ficavam encantados com a sua magnífica saudação eacolhida. Quem não se lembra dos “jipinhos” de seu Edinho que só participavamcriancinhas.
Existia, também, a “Barraca de Música”, que tinha como locutor um Sr. denome “Ruy”, que colocava as músicas a pedido. Eram bregas e músicas românticas,onde, as pessoas se dirigiam ate ela e pagavam para oferecer alguma música paraalguém que estava totalmente apaixonado. Os “LPS” ou os Discos de: EvaldoBraga, José Ribeiro, Roberto Carlos, Carlos Alexandre, Elino Julião, JoãoGonçalves, Marinez, Roberto Leal, Waldick Soriano e outros cantores que faziamsucesso naquele momento. Contam que uma tal pessoa foi ate esta barraca ecolocou a música “O Senhor da Floresta” que fala da historia de um “Índio Bravoe Guerreiro” para um certo homem que tinha a fama de ignorante nesta cidade e,este,  que passeava por aquela rua,ouvindo-a, veio ate a barraca tomar satisfação com “Ruy” e, só não derrubou-a,quebrou a Radiola nem lhe bateu por intervenção da policia que foi chamadaimediatamente.
Que não se lembra das “trinta e seis” de “Goteira,” de “Coleguinha”, de“João Jaburu de Remigio”, de Bibla de Solânea, de “Mané Oião”, de SantoTimóteo, que tinham como fregueses certos e famosos para todas as noites defesta seu Luiz Martins, Antonio Dias, Cristovão Pessoa, “Zezito da Banca” eoutros. Também, funcionavam os “esplandins” (jogos de bozó) de “Lola”, do“Gago”, do finado “Lêla”, de “Mané Cachorrinha”, de seu “Luiz Gonçalo de Lagoade Pedra”. Principalmente, o mais frequentado era o do “Gago” que tinha como participante oficial daquele jogo deazar, Dr. João Bosco que atochava em um, dois, e até três dos seis números e, o“Gago” ficava se tremendo para levantar o funil, onde, tinha noite de alisar osbolsos e sair com a mesa na cabeça. Quem não se lembra da “Mala de Abel” queenchia de rolo de papel e colocava em um dos rolos varias notas de dinheiropara ver quem “acertava” tirar no meio dos outros rolos. Ah! Quanta tapeação!
Do ônibus sucateado que se transformava numa “sala – vídeo” e chamavam debarraca da “Bela e da “Fera”, ou seja, a “Monga – A Mulher que vira Macaco”.Uma jovem linda se apresenta com roupas intimas e aos poucos se vira nummacaco, que, furioso, começa a balançar as grades da jaula que se encontra e,os assistentes ficam a flor da pele com a fúria do “animal” na escuridão doteatro ambulante.
Existia também, a barraca do “Espelho Mágico”. Eram dezenas de espelhoscolocados dentro de uma barraca, que, ao passar por eles transformavam aspessoas, que ficavam gordas, magras, bonitas, feias. Enfim, era um verdadeirosucesso por que mudava toda estética do corpo.
O “parque das ondas” e o “espalha brasa” do Sr. Elias e do Sr. Argemiro,irmão de seu “Deda Quilodino”, que lotavam todas as noites festivas e ia atealtas horas da madrugada pela excelente diversão sadia e empolgante para todosos participantes que procurava.
Fascinava-me, também, a retreta da festa tocada pela banda demúsica.  Era outro momento importante queestava inserido dentro da programação da festa da padroeira nos anos passados.A banda saia pela rua Manoel Rodrigues indo e voltando ate o pátio da igrejamatriz tocando e animando para todos os participantes da festa e tinha comoacompanhante principal seu “Luiz de Tiano” grande admirador de orquestras eretretas musicais.
Lembro-me de modo bem nítido que naquela época  quem tinha mais dinheiro ia lanchar nabarraca de seu Olívio Damião ou na de Manoel Freire, pois, estes, ofereciam umexcelente cachorro quente com coca cola ou guaraná. Já, quem tinha poucodinheiro ia para uns banquinhos de comida que ficavam embaixo da balaustrada naSolon de Lucena, onde, eram oferecidos uma caprichada “rodinha de pão” quecolocava em cima uma colher de picado ou de um pedaço de galinha de capoeiraacompanhados de garrafinhas com “ponche” ou o famoso “ki-suck” de morango” que chamavam de “sangue de morcego”, alémda cachaça brejeira e da temperada feita com raízes vegetais tão procuradapelos paupérrimos agricultores que saboreava antes de se dirigir para suascasas.  E, tinham como uma das donas dosbanquinhos  dona Luzia irmã do finadoLela.
Na praça Getúlio Vargas se concentravam os famosos engraxates da cidade,um deles, conhecido por “Kudu” que tinha uma excelente freguesia para dar umlustre no seu pisante. Também, “Pedro Pichaco” que contava suas aventuras eanedotas a todos que se faziam presente. 
Era um “Lírio Verde da Borborema” bem mais pacato, mais sossegado.“Recordar é Viver” como lembra uma velha marchinha carnavalesca. Sempre procurovolver o pensamento ás coisas boas usufruídas no tempo pretérito e minharetentiva as preserva bem.

(*) José Henriques da Rocha

Fonte:
-FOLHA DE ESPERANÇA, Jornal. Ns. 16 e 17, Ano III. Edições de Fev/ Março.Esperança/PB: 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…