Pular para o conteúdo principal

Esperança em 1935


TÚNEL DOTEMPO:
ESPERANÇAEM 1935

Reportagem Especial

D
ando seqüência anossa série “Túnel do Tempo”, vamos falar um pouco do município de Esperança noano de 1935.

Neste ano, há pouco havia sido exonerado o tenente Sebastião Maurício daCosta, digno oficial da Polícia Militar que exerceu também a chefia dadelegacia local. Segundo consta, sempre exerceu sua função com critério,deixando aqui inúmeros amigos.
A gerência do Cine Ideal informava o abuso dos fumantes que adentravam aorecinto, bem como de crianças sem o devido ingresso, advertindo que a partirdaquele momento seriam tomadas as providências para sanar tais abusos,inclusive muitos pais de famílias tomariam o devido conhecimento destes fatos.Também era inaugurado naquela sala de projeção, as novas instalaçõesprovidenciadas pelo seu proprietário Ignácio Rodrigues.
Em 24 de agosto do mesmo ano era criada a Inspetoria de HigieneMunicipal, por Decreto do Sr. Prefeito Theotônio Costa, tendo assumido a funçãode médico o Dr. Sebastião Araújo. Em menos de seis meses 540 pessoas haviamsido atendidas naquele posto médico.
Regressava da capital sul os comerciantes Ignácio Cabral de Oliveira eFausto Firmino Bastos, este último sócio-gerente da firma J. Valdez &Irmão. Este distinto cidadão havia viajado recentemente para Fortaleza e eracandidato a vereador pelo Partido Progressista.
O seu sócio José Valdez do Nascimento, também aniversariou dia 20 denovembro. Registrava A União, que o distinto cidadão gozava da simpatia dosesperancenses, tendo sido muito cumprimentado neste dia. Pela passagem do seunatalício, ofereceu aos amigos um lauto almoço em sua residência.
Ainda no dia 24 de agosto aniversariava o jovem Aspasio Soares, gerenteda Loja Paulista de Esperança, que ofereceu igualmente um almoço aoscompanheiros. Usaram da palavra em homenagem ao moço o Dr. Clodomiro deAlbuquerque, Hortêncio Ribeiro e Fausto Bastos.
E da capital paraibana, retornavam os srs. Theotônio Rocha e distintafamília, além do prefeito municipal e o Sr. Severino Donato, funcionário daFazenda Estadual.
Esperança vivia o auge da batatinha e na oportunidade, visitava estemunicípio o Inspetor Agrícola do Estado, Sr. Clodomiro de Albuquerque, que sefez acompanhar dos alunos da Escola Irineu Jóffily até o Campo de Cooperação,assistindo a demonstração de cultivo da leguminosa.
Mas o que mais chamou a atenção dos visitantes foi uma plantação doalgodão “Texas”, de onde se esperava colher umas cem arrobas, em prol docrescente fomento agrícola de Esperança.
Ainda naquele ano, contraíanúpcias o Sr. José de Oliveira Cuchatus com senhorita Deoclecia Sampaio. Elefuncionário dos Correios e Telégrafo local e ela uma jovem da nossa sociedade.
O fato curioso fica por conta doSr. Manuel Firmesa, Secretário Municipal que em setembro daquele ano assumiuinterinamente a prefeitura, mostrando bastante empenho em reparar as estradasde rodagem que ligam este município a outros vizinhos, danificadas pelas chuvasdo inverno.
Aproximava-se as eleições e doisfortes candidatos disputavam o poder executivo municipal: o Dr. HelenoHenriques, candidato da dissidência; e o Sr. Theotônio Costa, tendo-se comocerta a vitória deste na legenda do Partido Progressista, do qual fazia parte omédico Sebastião Araújo.
E a passeio, dirigiram-se àCapital da Paraíba a senhorita Noêmia Rodrigues e sua genitora, D. Esther(Niná) Rodrigues, digna esposa do ex-prefeito e comerciante Manuel Rodrigues deOliveira, presidente do Partido Progressista.
Ainda em visita a esta comuna,compareceu o Coronel Elysio Sobreira que à época exercia a chefia da Polícia doEstado, em companhia do Dr. João Medeiros Filho, que havia sido nomeadodelegado de polícia em Campina Grande.
Outro fato importante de nossacomunidade, no ano de 1935, foi entronização do Sagrado Coração de Jesus,ocorrida em agosto, na residência do Dr. Hortênsio Ribeiro. O ato foi presididopelo Monsenhor Severiano, que proferiu uma brilhante locução sobre o ato. Ocasal recepcionou os convidados oferecendo-lhes um cálice de licor.
Para o ano de 1935, eram arrecadados5.595$800 em moeda corrente, deixando um saldo positivo para o mês seguinte de1:294$000, segundo o balancete municipal de 3 de novembro do mesmo ano. Atabela fora confeccionada pelo Sr. Pedro de Alcântara Torres, coletor emexercício da secretaria, com autorização do prefeito também em exercício, Sr.Manuel Simplício Firmeza.

Rau Ferreira

Fonte:
-        A UNIÃO, Órgão do governo do Estado da Paraíba, 7 desetembro. João Pessoa/PB: 1935.
-        A UNIÃO, Órgão do governo do Estado da Paraíba, 13 denovembro. João Pessoa/PB: 1935.
-        A UNIÃO, Órgão do governo do Estado da Paraíba, 20 denovembro. João Pessoa/PB: 1935.
-        A UNIÃO, Órgão do governo do Estado da Paraíba, 24 denovembro. João Pessoa/PB: 1935.
A UNIÃO, Órgão dogoverno do Estado da Paraíba, 5 de fevereiro. João Pessoa/PB: 193

Comentários

  1. Caro Rau,

    Parabéns pelo seu blog. Ele está cada vez melhor. É díficil encontrar um espaço onde a história municipal seja tão valorizada e você faz isso em seu blog de forma genial: valoriza a bela cidade de Esperança, na qual trabalhei na década de 1990, quando da instalação do Posto do INSS. Um forte abraço para você e para todo o povo de Esperança.

    Ozildo
    http://www.construindoahistoria.com

    P.S. Em breve estarei postando algo sua cidade em nossa página.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…