Pular para o conteúdo principal

A Lenda Caricé

Índios Tapuias (fonte: wikipedia.org)


E
sta lenda éreproduzida pelo Padre Luiz Santiago [1897/1989], que também foi arqueólogo,pesquisador e escritor, além de outras coisas. O religioso ouvira contada pelaescrava forra Gertrudes, na propriedade de Meia-pataca.
A comoção popular deu àquele drama o nome de Caricé. A palavra vem dotupi-guarani, formada da junção de Caraibae . A primeira significando osábio, o santo. A segunda, o canto. O canto do sábio, por aglutinação.
Dizem que dentre os moços do serviço de demarcação das Datas de Sesmarias[data provável 1778], havia um que costumava cantar, nas horas de folga, à modade endecha, ao som de um dolente violão, aos pés de uma cacimba pública, umatriste canção, tendo por acompanhantes os pássaros canoros e o murmúrio dosventos. Por quem uma jovem índia se apaixonou.
O jovem encantador era conhecido por Morais, filho de João de MoraisValcácer, um dos donatários da região.
Ela era da linhagem dos Banaboiés de Esperança, da Tribo Cariri quepovoava o interior da Província. E chamava-se Yara.
O local onde se deu o drama – Meia-pataca- fica entre as terras de Remígio e Esperança, compreendendo as Sesmarias deBanaboié e Riachão de Banaboié, de João da Rocha, Manuel Gonçalves Diniz e LuizBarbosa da Silva, de n°s 441, 759 e 930, enumeradas no livro de João de LyraTavares.
Começou colhendo frutos e oferecendo ao amado e de tanto ouvi-lo cantar,aprendera a doce melodia do amor. Deixara-se envolver pela voz suave do manceboe seus encantos aloirados.
Ao regressar a equipe de topógrafos a jovem índia sentiu tornar-seindefinida paulatinamente. Tudo ao seu redor fazia-lhe lembrar do amado: osfeixes de abrolhos, os duros espinhos dos cactos, as escarpas dos montes e oazul do céu. Por consolo canta o que aprendera. Via numa estrela a figura doestrangeiro, que transmudara de forma a cada nova canção. Era o seu consolo.
Os vizinhos acompanhavam de perto aquele drama. A jovem insulada mergulhanum estado de alucinação. Pensara que seu ídolo fora residir nas regiõesetéreas e passara a viver num dos astros.
As luas lhe dão esperança e contentamento, mas ao final tudo é desenganopara a jovem tresloucada. Procura dormir, mas o sono não vem. E toma adeliberação de fazer u’a prece à Yaci, pedindo à mãe-lua que lhe dê um fruto. Ea esperança lhe renasce.
Mas ao cabo de alguns meses o rebento não vem.
Talvez o Guaracy [sol] lhe traga algum alento.
Mas Guaracy, iluminando os prados nada trouxe. E a índia sepultadefinitivamente aquele amor jamais contido.
Yara chora cantando a sua dor, apanágio da alma. E assim como o orvalhonutre o coração das flores, as lágrimas da índia sublimam o seu ventreinterior. E a alma do herói soergue-se, se é que a índia pudera assim fazer.
O espectro daquele amor da juventude é mesmo rude, como aqueles de suatribo.
Um transeunte pergunta dos pais ao filho de menor. E este maquinalmenteresponde:
- A mamãe está de resguardo,pagando na cama os prazeres de outrora!
A palavra Caricé é de fato a síntese desse drama selvagem, vivido no seiodas matas do sítio Meia-pataca.
Luiz Barbosa da Silva comprou a João de Morais Valcácer as terras das Sesmarias Nº 759, a qual extrema com asterras dos herdeiros de João da Rocha, denominado de Banabuyé.

Rau Ferreira

Fonte:
- SANTIAGO, Pe. Luiz. Fatos e lendasdo meu sertão. Ed. A Imprensa: 1965
- TAVARES, João de Lyra. Apontamentos para a História Territorial daParaíba, Vol. I, Imp. Of., Pb., 1910.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…