Pular para o conteúdo principal

São João de Esperança/PB

O São João no Município de Esperança, Paraíba, representa muita tradição. Silvino Olavo, em seu poema “Noite de S. João” [OLAVO: 137/138] descreve em detalhes o seu ritual.
Na “Noite de S. João”, considerada “santa”, fogões e balões evocam uma mensagem em homenagem ao padroeiro do mês junino. As senhoras entoam suas novenas nas vozes mais bonitas. As moças vestidas de “chita” experimentam adivinhações casamenteiras e desejam ver refletida n'água o seu predestinado; mas pranteiam desconsoladas quando não lhe veem o rosto do amado. Os homens, erguendo o mastro, demonstram a sua força sem se importar com as crianças a brincar no terreiro bem varrido.
Fogueiras são acesas e nas suas brasas o milho arde. Os jovens se dão por compadre e comadre cispando-lhes as cinzas do alto, enquanto outros passam-lhe os pés descalços em sinal de fé. E a criançada solta fogões e rojões esquentando ainda mais a noite.
Nas cozinhas das casas as mulheres se revezam no preparo das comidas típicas: pamonha, canjica, pé-de-moleque e cocadas, enquanto o espigo de milho verde que arde no lenho em brasa.
Antigamente quadrilhas e casamentos matutos aconteciam no pátio do “Irineu Jóffily” e em outros locais elas eram animadas por Benício Nóbrega, Antonio Coelho, Teotônio Rocha, Matias Virgolino e Ascendino Portela. Haviam rodas de cocos organizadas por Zé Luiz e os irmãos Pichaco Adauto e Honório, enquanto João Benedito fazia versos de improviso com a sua irreverência.
No Cine São Francisco, de Titico Celestino, apresentavam-se artistas renomados como Marinêz e sua gente. E o CAOBE foi palco igualmente de grandes shows, assim como as Amigas do Lar, que costumeiramente neste período faz exposição de artesanato.
Os anos 80 ficaram marcados pelo sincretismo que uniu aspectos do passado com as novas tendências do São João. Assim surgiu em 1989 o “Arraial da Esperança”, contando com barracas, ilhas de forró e a participação de quadrilhas de outras cidades, caracterizado por um portal de entrada principal na festa. Destacaram-se neste cenário os locutores Ednaldo Sales e Gera Som; e as bandas Estação da Luz, Lú Natureza e Chico de Pepê.
Em 2004, durante a gestão “Trabalho com participação”, os festejos ganharam os bairros com o apoio da Ban Fm (87,9 Mhz) e participação de Luciano André. Nesse período houve considerável efervescência artístico-cultural e surgiram novos artistas, a exemplo de marcadores de quadrilha como Júlio Vanderlâneo do Grupo de Cultura B. Funk e Naldo de Seu Zezinho.
Junho de 2002 foi marcado pela performance de Fernando e Marinalva representando o casal matuto Macambira e Querindina, com muita irreverência e trejeitos que o nordestino conhece bem. E durante a copa de 2006 surgiu o “Imbirinha” (Alexandre Santos).
 Em 2010 tivemos a primeira edição do S. João de Todos, promovido pela Prefeitura Municipal, com a representação da Vila Banabuyé lembrando as casas baixas ao largo da Igreja matriz.
O artesanato local mereceu igual destaque, pois cada uma das casas da antiga vila abrigou uma especialidade, além de um espaço dedicado à saúde, imprensa e outras secretarias municipais.
Neste ínterim não podemos nos esquecer do São João promovido pela Comunidade São Francisco. Com palhoça e muito forró, os Amigos do Bairro conseguem fazer um dos melhores festejos juninos do município.
E em diversas ruas da cidade há apresentação de quadrilhas, folguedos e danças populares durante todo o mês junino.
Este ano a cobertura do São João esperancense se dará através da Ban Fm 87,9 Mhz e dos sites e blogs locais, com ampla divulgação. Também teremos uma reportagem especial da TV Lyrio Verde e a equipe da Luciana Filmagens e Marcos Fotografia prometem a transmissão ao vivo dos eventos através de um link da Web TV Canal Esperança.
Teremos ainda a tradicional Corrida da Fogueira em sua XIII edição com início às 14h30 e a seguinte premiação: 1º lugar R$ 400,00; 2º lugar R$ 200,00 e 3º lugar R$ 100,00 – cuja maratona passará pelas ruas: Manoel Rodrigues/Solon de Lucena/João Pessoa/Monsenhor Severiano/Campo da Rodoviária/Silvino Olavo/Senador Epitácio/Manoel Palmeira/Travessa Sebastião Nicolau/ Napoleão Laureano/Manoel Henrique/Ginásio o Vovozão/João Mendes/José Andrade/Joaquim Virgulino/ Solon de Lucena e chegada ao Arraial da Esperança.
Procuramos fazer aqui um resumo desta festividade mas esperamos que o leitor internauta complemente este artigo com seus comentários, acrescentando suas impressões pessoais e memórias e construindo desta forma a memória coletiva de Esperança.
No detalhe da foto, um dos antigos casamentos matutos que se realizavam no município de Esperança.

Rau Ferreira


______________________________
Confira a programação do São João de Todos 2011

______________________________

© História Esperancense
http://historiaesperancense.blogspot.com

Fonte:
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Esperança/PB. Ed. Unigraf: 1985;
- OLAVO, Silvino. Cines/ Sombra Iluminada. Esperança/PB: 1985;
-         Revista Comercial de Esperança, Ano V, Ed. Fernando Rocha: dezembro de 2008, p. 08/09;

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…