Pular para o conteúdo principal

Esperança e suas origens

Em 1850 a povoação de Alagoa Nova foi elevada à categoria de Vila, e assim desmembrada do termo de Campina Grande (Lei n. 10, de 05/09/1850).
No território recém criado encontravam-se as terras que formariam o Sítio Lagoa do Açude. A sua posse tem origem nas sesmarias requeridas de 1713 a 1753 e que estão registradas no Cartório de Alagoa Nova.
Naquele tempo, essas terras pertenciam a grandes latifundiários que a utilizavam na criação de gado. A Fazenda Banabuyê, que deu origem ao nosso município, teria surgido com esse objetivo, por volta de 1860.
Segundo Irineo Joffily, Banabuye foi sempre o nome deste lugar. Ela fica ao pé de uma grande rocha que se estende encoberta por baixo de suas casas e por sua feliz situação foi escolhida para o estabelecimento de uma feira. As gameleiras com que a rua principal estava arborizada haviam sido estacas da antiga fazenda. E conclui finalmente que deveria ter permanecido o nome indígena por maus auspicioso que “Esperança” pudesse ser (p. 208/209).
Corroborando esta tese, existe um documento escrito por volta de 1757 e que se encontra na Torre do Tombo em Lisboa, em que descreve a nossa “Banabuyê”, situada a duas léguas do sítio denominado Oriá (Areal), a beira de um açúde.
Diz Reinaldo de Oliveira Sobrinho “apud” Coriolano de Medeiros, que o local era ocupado por um aldeamento dos Índios Cariris, que se assentavam nas proximidades do Taque do Araçá. Informa ainda o historiador que um reservatório d'água construído pelos índios foi motivo para atrair colonos que expulsaram os antigos moradores. O primeiro habitante do lugar teria sido o Marinheiro Barbosa.
Posteriormente, os irmãos Laureano e Antônio Diniz vieram residir na atual rua Manuel Rodrigues, construindo três casas de taipa.
É de se pensar que ali se tornou parada dos antigos tropeiros, tendo se desenvolvido a base do comércio que se seguia para Campina, a “Rainha da Borborema”. E certamente muitos caxeiros-viajantes ou mascates tinham Esperança como rota de seus negócios. O fato é que, em 1943 já existia aqui uma Estação Fiscal, para recolhimento dos tributos.
Aquele povoado chamou a atenção da Igreja Católica, que em 1908 criou a freguesia de Nossa Senhora do Bom Conselho, “em consideração as necessidades espirituais” da povoação (Livro Tombo I, p. 01/02).
As  principais denominações da cidade foram: Banabuyê (1860), Boa Esperança (1872) e finalmente Esperança (1908).
A cidade emancipou-se em 1925, por força da Lei n. 624, no qual se empenharam intelectuais e políticos, além de pessoas influentes como Silvino Olavo e o Coronel Elísio Sobreira.


Rau Ferreira

Fonte:
-         A vida dramática de Silvino Olavo, autoria de João de Deus Maurício, João Pessoa/PB, Unigraf, 1992 – p. 23/25;
-         Livro do Município de Esperança. Ed. Unigraf, João Pessoa/PB, 1985 - p. 33/35;
-         Notas sobre a Parahyba, Irineo Joffily, Editora Typographia do "Jornal do Commercio": 1892, p. 208/209;
-         Freguesia do Cariri de Fora, Tarcízio Dinoá Medeiros, São Paulo: 1990, p. 40 e 43;
-         Anotações para a história da Paraíba, Volume 2, Reinaldo de Oliveira Sobrinho: 2002.
-         Livro Tombo I, Paróquia de Esperança: 1908, p. 01/02.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…