Pular para o conteúdo principal

Título de Cidadão Esperancense

Em solenidade realizada ontem (17/02), com início às 20 horas, o editor deste blog recebeu da Câmara Municipal de Esperança - Casa de “Francisco Bezerra”, o título de Cidadão Esperancense. O evento contou com a participação de familiares, amigos e autoridades que prestigiaram a homenagem.
A proposta havia sido votada no último dia 10 do corrente, obtendo aprovação unânime.
Em seu discurso, o homenageado fez uma síntese do seu trabalho neste diário eletrônico e falou de seu contentamento:

É com extrema alegria que compareço a esta sessão onde, por propositura do Vereador José Adeilton – Amazan – foi indicado meu nome para receber o honroso título de cidadão esperancense, obtendo aprovação unânime desta Casa Legislativa.
Esta homenagem, que não é só minha, pois toda a família FERREIRA COSTA sente-se igualmente prestigiada, enaltece também a memória do poeta Silvino Olavo, sobre quem escrevi e lancei recentemente um livro biográfico.
E o sentimento que ora se apresenta não é tão-somente de satisfação pessoal, mas de dever cumprido para com esta sociedade que tanto amamos.
Desde junho de 2009, publicamos a crônica histórica deste município fazendo o resgate cultural em uma página da internet. O blog, que nasceu por assim dizer despretensioso, tornou-se um dos mais vistos neste Estado e muitas de nossas postagens alimentam a rede mundial de computadores inclusive na enciclopédia de acesso livre.
Esperança desde o seu nascedouro soube conciliar a boa localização ao espírito empreendedor do seu povo, e com os bons ventos da sã política nacional, ganhar a sua independência em 1925, irmanada na paráfrase que nos diz “Esperança - lírio verde da Borborema”.
E sob este lema, o município cresceu no agreste paraibano tornando-se referência na região, pois assim profetizara o nosso grande vate em seu discurso triunfal, que esta seria uma “terra de juventude e de fé”. E assim será, pois a esperança é a última que morre.
Foi esta terra que meus ancestrais escolheram para deitarem as suas raízes e progredirem juntamente com o seu município; e que agora me recebe por adoção.
(...) Este título que me é outorgado pela Câmara Municipal soma-se aos meus sonhos de menino, em ver gravado na minha certidão a naturalidade esperancense. Agora, posso dizer que tenho a minha qualificação completa: brasileiro, casado, pai de duas filhas e com muito orgulho cidadão esperancense. Deus em sua infinita bondade me propiciou este momento de júbilo.
Agradeço o título e a homenagem aos vereadores José Adeilton da Silva Moreno; Anselmo Vieira da Costa; Evandro Alves da Rocha; Adailton dos Santos; Olivete Bertoldo Fernandes; Ronaldo de Arruda Câmara; Edinaldo Bezerra de Menezes; Gilbério Alves dos Santos e Genival de Andrade.
Peço desculpas pelas minhas palavras emocionadas.
Que Deus abençoe a todos.
Muito obrigado!”.


A mesa foi composta pela diretoria da casa e os ilustres cidadãos Antonio Monteiro Costa Filho e Carlos Almeida, que fizeram o uso da tribuna em nossa homenagem juntamente com os vereadores Anselmo Vieira da Costa, Edinaldo Bezerra de Menezes e José Adeilton da Silva Moreno.
Facultada a palavra pelo presidente daquele legislativo mirim, discursaram ainda a historiadora Robéria Ferreira Costa, o jornalista Evaldo Brasil, a professora e ativista cultural Marinalva Bezerra de Menezes, além do comunicador e editor do site Notícias Esperancenses Rodolpho Raphael de Oliveira Santos.
Registramos a presença na platéia dos repórteres Otílio Rocha, Jean Andrade e seu irmão Jailson, e os amigos Ivanildo Xavier, Karl Marx Valentim e Luciano Soares de Souza, a historiadora Marilda Coêlho e sua filha Gabriela, o amigo Janilson Andrade e muitos outros que nos vieram prestigiar.
Representando a família Costa compareceu Rossana Ferreira e seu esposo Clovis Pereira da Silva.
Foi um momento de grande emoção e de suma importância para a cultura esperancense, pois ficou evidenciado ainda mais as nossas potencialidades. Esperança é verdadeiramente um celeiro de vocações.

Rau Ferreira

Comentários

  1. Rau, meu cunhado querido do meu coração...
    meus parabens...vc mereçe...
    sua cunhada Edite

    ResponderExcluir
  2. Rau,como vai sua familia? tudo bem?
    li seu livro e gostei,gostaria de debater sobre o livro com você em breve. Encontrei algumas "falhas" acredito que de digitação.
    Parabéns.
    Adelson Cirilo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…