Pular para o conteúdo principal

As reformas da Igreja Matriz

Diz a história que Frei Venâncio construiu uma capela onde hoje está assentada a atual Igreja Matriz, sob a invocação de Nossa Senhora do Bom Conselho no ano de 1860. A construção terminou dois anos depois e o templo passou a chamar a atenção de todos que por aqui passavam.
Esperança, ainda sob a denominação de “Banabuyé”, era sede de uma fazenda de criação de gados, e se iniciara uma pequena feira de gêneros alimentícios.
A capela, era “a melhor da freguesia” (Notas: Irineo Joffily), considerada “um moderno e vasto templo” (A Parahyba, 1909), considerada uma “bem construída igreja de N. S. do Bom Conselho” (Diccionario: Coriolano de Medeiros).
Pelas fotos de 1935 observamos que era realmente uma bonita e encantadora capela, em torno da qual se desenvolveu a vila com suas casas “baixinhas”. E tornando-se independente no dia 20 de maio de 1908, data em que foi desmembrada da Paróquia de Alagoa Nova pelo Bispo da Paraíba Dom Adauto.
A subvenção para compra do relógio da Igreja teve início no dia 28 de junho de 1931, por iniciativa do Coronel Elísio Sobreira, recebendo importantes doações, inclusive do Bacharel Silvino Olavo. O dinheiro era recolhido junto a Caixa Rural e Operária do Estado.
Monsenhor João Honório, quando administrou a paróquia (1937-1951), alterou a fachada do templo. Os trabalhos tiveram início no dia 08 de novembro de 1939, retirando as antigas torres e deixando apenas uma central, com aproximadamente 14 metros. Na parte interna, foram feitos “consertos no forro de toda a nave e corredores, limpeza e pintura geral e nova instalação elétrica” (Livro Tombo I: 03/02/40).
A inauguração da reforma se deu em 14 de abril de 1940, “Em homenagem à data gloriosa da Ressureição de Jesus Cristo” (Livro Tombo I: 14/04/40).
Na oportunidade, foram concedidas as bençãos e entronização do salão superior da efigie da Sasgrada Família.
“A referida parte nova é um complemento a nossa Igreja Matriz que se compõe de um pavimento térreo, onde funcionam sacristia, secretaria e sala de alfaias, e um andar superior de um só salão, destinado as reuniões das associações religiosas e a sede da ação Católica”, escreveu o paroco.
O trabalho orçou em 27.500$000, em moeda corrente da época.
Em seu interior existia um imponente altar no melhor estilo barroco, com diversas imagens. Coube ao Monsenhor Palmeira a sua derrubada, seguindo orientanção do Concílio Vaticano II pois os padres não podiam mais celebrar de costas para os fiéis.
De lá para cá muitas a igreja sofreu diversas reformas, mas nada que alterasse as suas características, como fora a de 1940.
Procurou-se sempre preservar a sua arquitetura, acrescendo apenas em formosura. Mudou o piso, por exemplo, que passou a ser de granito, mas manteve-se intocável a estrutura principal.

Rau Ferreira
Fonte:
-         JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Parahyba, Editora Typographia do "Jornal do Commercio": 1892, p. 208/209;
-         “A Parahyba” Volume 2, Ed. Imprensa Official, 1909;
-         MEDEIROS, Coriolano de. Diccionario chorographico do Estado da Parahyba , Ed. Imprensa Official, 1914: p. 35.
-         Jornal “A União”, Estado da Paraíba, edição de domingo 28/06/1931;
-         Jornal “A União”, Estado da Paraíba, n. 210 edição de domingo 13/09/1931;
-         Site da Paróquia, disponível em http://www.paroquianossasenhoradobomconselho.org;
-         Livro Tombo I da Paróquia: pág. 03/02 à 14/04/1940;
-         Revista Centenário, Ed. Jacinto Barbosa: Esperança, 30 de maio de 2008;
-         Livro do Município de Esperança, Ed. Unigraf, 1985, p. 70/71;
-         Revista “Esperança 82 Anos”, Ed. Jacinto Barbosa: Esperança, novembro de 2007;

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…