Pular para o conteúdo principal

Adauto Rodrigues de Araújo

Publicado no Andrade Notícias em 14/07/2010
www.andradenoticias.com

Nasceu na cidade de Esperança - PB em 20 de novembro de 1936, filho do comerciante Severino Araújo da Nóbrega e de Olívia Rodrigues de Araújo, seu pai era sertanejo da cidade de Santa Luzia - PB teve uma única irmã que faleceu muito jovem, Lurdes Rodrigues de Araújo (Lurdinha). Muito inteligente era o principal funcionário do saudoso José Ramalho da Costa no grande armazém de tecido, com a morte de José Ramalho teve outros empregos como o armazém de Matias Granjeiro por fim resolveu tocar seu próprio comércio teve vários comércios como em Areial-PB, Areia-PB, e por fim aqui em Esperança tornou-se um dos maiores atacadistas em estivas e cereais da região fornecendo estivas para todo o Brejo Paraibano, hoje aos 73 anos de idade é um exemplo de persistência, de luta e de interesse pelo comércio e de amor por sua terra, Esperança, jamais quis morar em outro convívio.

Vida Social e Juventude

Na sua juventude se vestia com muita elegância, pois era muito vaidoso. No seu convívio social frequentava a elite esperancense nos anos 60 o lazer da época destacavam-se a festa da padroeira, os carnavais esse geralmente animado pelos blocos “bom porque pode”, organizado pelo conhecido “Novo” e o “Lira de Ouro” no mês de junho as quadrilhas juninas e as serestas de rodas, animada por Diogo Batista, Pepe Cabugar e outros, a noite, a diversão na cidade era beber nos bares do Seu Dedé, ou paquerar as jovens no bar da praça da matriz escutando os buzifones de Ernani ou assistir ao cinema de Titico Celestino.
Adauto Rodrigues é um exemplo de simplicidade e humildade, um amigo companheiro e apaixonado por sua terra natal, aos amigos sempre é comunicativo e muito alegre com seus conterrâneos. Uma letra de uma música que sempre tocou seu coração foi “Já fui moço, já gozei da mocidade quando me lembro dela me dá saudade”.

O Grande Amor

Apesar de frequentar costumeiramente a vida social da querida cidade de Esperança conheceu a jovem (Lala) Eulália Barbosa de Araújo com sua beleza conquistou o coração de Adauto, garota de hábitos simples e de boa família, Adauto jurou que ela seria a mulher de sua vida e resolveu falar com seu pai para pedir sua autorização para namorar ela, após certo tempo de namoro, conseguiram marcar a data do casamento e tiveram cinco filhos Eudna, Naldo, Cezar, Ninha e Téta que são muito felizes e lhes amam muito. Adauto Rodrigues se destaca no cenário esperancense por sua origem humilde e pela predestinação para o trabalho um sonhador. Mas o seu maior legado é a dignidade e honestidade que será passado de geração para geração de seus filhos e netos.

Um homem que nunca deixou se vencer

É difícil encontrar uma pessoa com a persistência de Adauto, diante de tantas agruras sofridas durante toda a sua existência. Sempre teve em mente: “Lutarei sempre, ganharei talvez, desistirei jamais”.

Jailson Andrade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…