Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2010

Feliz Ano Novo!!!

Alcançamos grandes realizações e almejamos muito mais neste ano vindouro. Agradecemos a todos os nossos visitantes e seguidores e esperamos prestar este relevante serviço ainda em 2011. Para tanto contamos com a contribuição de empresários locais que possam incentivar a nossa produção adotando uma coluna ou divulgando sua empresa ao custo de 30 reais mensais.  Quem desejar participar deste nosso resgate cultural pode utilizar o formulário de contato para maiores explicações. Desejamos a todos um feliz 2011!
Rau Ferreira

Triste olhar, poema de Raimundo Viturino

Raimundo Viturino me enviou por e-mail um de seus poemas. Este, em particular, narra um fato  de sua infância. Na visão do menino, havia uma mulher batalhadora e incansável “na luta para prover a sua prole”. Certo dia o poeta observou “muita tristeza no semblante dessa pessoa” e prontamente rabiscou os versos que seguem: Triste Olhar
Passo e ele me segue Até me perder na impotência da retina. Sem brilho, cinzento, úmido... Ah, triste olhar que me suplica Um pouco de algo perdido, Algo sentido, implorado e querido, Que lhe tirou o brilho, Doou-lhe a lágrima Inchou suas pálpebras, Roubou-lhe o mundo. Ah, triste olhar que chora melancolias Triste olhar que vai e que vem Em busca das belezas Que ficam detrás do horizonte, Bem longe, onde se esconde o sol E onde imagina encontrar a felicidade.
Raimundo Viturino, Em 25/09/1989
"TRISTE OLHAR" é um poema de rara beleza. Imaginamos aquela mulher como tantas outras desprovidas de tudo e que nos conta no seu olhar de súplica tudo o que precisamos saber.…

Rua Silvino Olavo

Rua Silvino Olavo, década de 90. No detalhe uma casa antiga onde hoje é o Mercadinho do Aderaldo.

Guia Comercial de Esperança

Está circulando na cidade o novo Guia Comercial de Esperança. Que nesta edição recebeu uma nova denominação e novo designe para os anunciantes. Na versão 2010 o guia continua sendo uma mão na roda para o comércio e usuários esperancenses. Com um índice das principais lojas e empresas do nosso comércio, telefones úteis, o mapa atualizado da cidade, espaço cultural e um texto da professora Marilda Coêlho, a revista se destaca por sua importância e praticidade. “Este guia é, portanto, para o anunciante uma oportunidade de fortalecer-se dentro do contexto comercial. Enquanto que para os consumidores e/ou clientes, é um instrumento que facilita seu dia-a-dia, pois estreita os laços entre eles e as empresas, aqui anunciadas” (Editorial, p. 07).
A revista tem o seguinte expediente: Editor: Fernando Rocha. Diagramação: Joelson Designer. Produção Banabuyê Eventos e Comunicação. Colaboração: Marinalva B. de Menezes Santos/ Geneva Helena de M. Santos/ Pétrus Rangel de M. Santos. Neste sétimo ano de…

Decreto restaura termo de Esperança

No dia 19 de novembro de 1929, era publicado o Decreto nº 1.608 da lavra do Sr. Governador do Estado João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque. A norma que encontrava respaldo no art. 36, §1º, da Constituição Estadual e art. 11 da Lei nº 681/29, “ad referendum” da Assembléia Legislativa, restaurava o Termo Judiciário de Esperança, anexo à Comarca de Areia, revogando as disposições em contrário. Trata-se de uma lei que cuida da organização judiciária local. Por ela, o termo de Esperança continuava fazendo parte da Comarca de Areia. Como sabemos, o Juízo Municipal havia sido instalado em 1925, coincidindo assim com a emancipação municipal. Mas a instalação do termo só veio ocorrer no dia 25 de novembro de 1929, consoante determinava o decreto governamental. Por outro lado, a elevação à categoria de Comarca aconteceu em 1940, tornando-se então independente da de Areia, sendoAdemar Lafayette Bezerra o primeiro Juiz comarcão. No detalhe da foto, cópia da publicação oficial do governo. Fonte: -Jornal …

Presépio da Igreja do Bom Conselho

Imagens da lapinha (presépio) da Matriz do Bom Conselho, Esperança/PB.
FELIZ NATAL!


O Presépio de Inacinha

Há 65 anos Inacinha Celestinho mantém a tradição de seu Presépio de Natal. A montagem começou ainda quando seus pais eram vivos, em 1945. A família havia ganhou algumas peças e decidiram organizar a “Lapinha”, recebendo então as primeiras visitas. Com o tempo foram acrescidas novas figuras ao acervo que hoje se encontra completo. O Presépio que desde 1988 não é desmontado, pode ser visto na sua residência [rua Solon de Lucena] e ocupa uma área de 16 m2 da sala de estar, amparado por uma armação de aproximadamente um metro de altura. É composto em papel madeira, que formam a gruta e dá os contornos das pedras, sendo ornamentado com plantas naturais cultivadas pela própria Inacinha. As suas imagens reproduzem os animais e personagens bíblicos, como os Reis Magos., sendo que algumas peças vieram da Bahia e tem pintura italiana. A representação natalina possui ainda um lago feito de espelho, tem iluminação própria e é delimitado por uma corrente. Nesta época do ano Inacinha costuma receber…

Livro SOL, últimas unidades

Caríssimos amigos;
Estamos encerrando o ano e agradecemos a todos os que adquiriram o livro biográfico de SILVINO OLAVO. Este foi para nós uma realização pessoal alcançada com muito sacrifício. Ainda estamos trabalhando para pagar a gráfica, mas o êxito das vendas tem sido satisfatório. Restam apenas algumas unidades, pois boa parte encontra-se reservado e tem sido entregue pelo sistema de pronta-entrega. Não perca esta oportunidade, adquira o seu!  No formato 16 x 21 cm, 142 páginas, capa em laminação fosca supremo e miolo de alta alvura em 75g, contém detalhes sobre a vida deste poeta esperancense que foi chefe de gabinete do Presidente João Pessoa, além de ser advogado, orador, político e jornalista.
Feliz Natal e próspero ano novo!
Rau Ferreira História Esperancense

Feliz Natal!

O História Esperancense deseja a todos os seus seguidores e leitores um feliz natal, repleto de paz e harmonia. Que o menino Jesus preencha os nossos corações e possamos irradiar esta luz que transforma o mundo!

São os votos de, Rau Ferreira

O serrote dos cocos

Um dos pontos culminantes do município de Esperança/PB é o chamado “Serrote dos Cocos”, localizado a cerca de 15 Km da sede. O local mantém preservado parte da mata nativa da região e registra a presença de diversos animais, como tatús, preás, tiguaçus, camaleões, cobras cascavéis e pássaros como inhambus e rolinhas. Localizado no extremo norte do município a área é bastante arisca praticando-se a agricultura de subsistência associada a criação de pequenos animais como cabras e ovelhas. As suas propriedades em geral superam o módulo rural, há escassez de água e outras dificuldades características do agreste. Com uma altura aproximada de 635 metros ao nível do mar, serviu antigamente como posto de observação durante a chamada “Revolução de 1930” na Paraíba, em que disputavam as facções perrepistas e liberais.
Rau Ferreira
-Livro do Município de Esperança: Unigraf, 1985 – p. 31 e 35; -Wikipédia: Esperança, disponível em http://pt.wikipedia.org.

Excursão Presidencial à Esperança

Em 1929 o Governador do Estado, Dr. João Pessoa, era candidato a vice-presidente da República na chapa da Aliança Liberal encabeçada pelo Sr. Getúlio Vargas. E o jornal “A União” do dia 19 de novembro daquele ano, estampava em sua matéria de capa a “Excussão Presidencial à Esperança”. O chefe do executivo estadual partira no sábado com destino a Esperança, dando continuidade a sua campanha presidencial. No percurso estavam as cidades de Alagoinha, Alagoa Grande, Areia e Remígio. Antes mesmo de chegar a esta cidade, o governador foi recepcionado pelo prefeito municipal Theotônio Costa e pelo sr. Manuel Rodrigues de Oliveira, importante comerciante desta vila. Em Esperança, a autoridade maior do Estado recebeu os cumprimentos do vigário da paróquia, Monsenhor Severiano Figueiredo e demais pessoas influentes da cidade. Foi-lhe servido um almoço às 14:00 horas, oportunidade em que o sr. Severino Diniz proferiu vibrante discurso, onde declarou entre outras coisas que “Todos divisamos na vert…

Um ano do portal NE!

No próximo dia 19 o site NE! completa um ano e nesse meio tempo houve algumas revoluções. O visual mudou como era de se esperar, um gesto ousado de quem iniciou nos blogs e migrou para sites. Foram muitos desafios, novas adesões, colunistas e uma expansão jornalística sem tamanho. Nesse contexto procurou seu Editor-chefe – Rodolpho Raphael - a profissionalização, enveredando nesta carreira dos pés à cabeça. Hoje a filosofia é de um portal de notícias bem mais abrangente e atualizado e com grande visibilidade no Estado, surgindo inclusive a necessidade de se montar um escritório de representação. Sabemos que não é fácil manter um portal de notícias saído do interior mas essa vitória tem um sabor especial, fruto de um grande comunicador que não mede esforços para alcançar seus objetivos. O História Esperancense deseja portanto sucesso neste seu primeiro aniversário.
Rau Ferreira

Impressões sobre Silvino Olavo

Não poucos foram os escritores que comentaram as obras de Silvino Olavo, poeta esperancense (1897-1969). Desde o seu amigo e colega de redação Samuel Duarte, até ilustres paraibanos como José Lins do Rego. As suas obras, longe de serem polêmicas, causavam sempre um affair pelo tom poético e cultural que girava em torno de seu autor.
Na “Revista de Língua Portuguesa”, há a seguinte anotação:
O autor de Sombra Iluminada, Silvino Olavo, embora mais variado na inspiração de suas poesias, não tem também nenhuma nota vibrante e forte. É igualmente um melancólico. Todo o seu livro se faz de meios tons de uma suavidade encantadora” (p. 124).

E numa outra passagem lemos:
Em versos, pelo menos, Silvino Olavo não manifesta outro sentimento” (p. 124).

E ainda sobre “Sombra Iluminada”, encontramos:
Quem sabe se esse estímulo que sente Silvino Olavo, não lhe vem de certo instincto divinatório?” (Os de hoje: figuras do movimento modernista brasileiro, p. 254).
E no livro de Joacil Pereira:
muitos dos ini…

A Capela do Bom Conselho em 1906

A Capela do Bom Conselho foi iniciada em 1860 por Frei Venâncio. Em 1892 se dizia que era a “uma espaçosa e bonita igreja, a melhor da freguesia (...)” (JOFFILY, p. 208). Contudo, hoje um dado novo se nos apresenta. Pesquisando no livro “A Diocese da Parahyba” (1906) encontramos referência à antiga capela descritas pelo Monsenhor Francisco Severiano de Figueiredo, que escreve:
N. S. do Bom-conselho, 3 lcguas, na povoação Esperança — outr'ora Banabugé. É esta última capela bem confortavel e elegante se bem que não se ache de todo concluída.” (FIGUEIREDO, p. )
O termo “concluída” nos parece um pouco impreciso. É que o “Livro do Município de Esperança” nos dá conta que esta edificação foi terminada em 1862 (p. 33). Talvez aquele pároco, com sua visão empreendedora, pretendesse acrescentar outras benfeitorias à edificação. De fato, o Monsenhor Severiano, quando de sua administração paroquial em Esperança (julho/1929 à março/1930), construiu a Gruta de N. S. de Lourdes e reformou a Igrej…

Açude Banabuyé

O Açúde Banabuyé, certamente, foi o local mais conhecido da antiga vila. Nas proximidades os índios construiram um reservatório d'água e o seu manacial abasteceu a Paróquia e a população esperancense que retirava água para o gasto e uso rotineiros. Segundo a Revista do IHGP, publicada em 1911, a “alagoa do Banaboié” media “uma milha de circuito”. Alguém ainda lembra dos entregadores de água e de pessoas que lavavam roupa nos seus lagedos. Com o tempo, este açúde foi encampado e construído em seus arredores diversas casas. Uma ponte também foi colocada, dando travessias as pessoas que vinham da rua de Baixo (atual Silvino Olavo) para a Beleza dos Campos. Em 1938 a “Academia Brasileira de Sciencias” registrava a importância deste reservatório situado na “village of Esperança – Parahyba”, colocando-o em 7º lugar. Entre as realizações do Governo Vargas no Nordeste registram-se a conclusão do Açúde Banabuyé nos idos de 1940. Em 1º de dezembro de 1968, na gestão do governo Pedro Moreno Gon…

SOL: Parnasiano ou simbolista? (2ª Parte)

A ênfase em temas místicos, imaginários e subjetivos assim como o caráter individualista e a estética marcada pela musicalidade, características constantes do Simbolismo, estão sempre presentes na obra de Silvino. No Brasil o nome maior do simbolismo foi Cruz e Souza. A expressão maior desta escola no mundo é Charles Baudelaire. Mas Silvino também incursionou com bastante desenvoltura pelo Parnasianismo, que consagrou, no Brasil, Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia. Sua poesia também foi marcada pela impessoalidade, valorização da estética, busca da perfeição, linguagem rebuscada, vocabulário culto, mitologia grega, preferência por sonetos com ênfase para metrificação que são características parnasianas. Aliás, acho Silvino muito mais parnasiano que simbolista, que me desculpem os estudiosos de literatura.
Roberto Cardoso

Fonte:
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Esperança/PB. Epgraf: 2010.

Escritor esperancense grava entrevista para TV

O escritor Rau Ferreira gravou na manhã de ontem (10/12) uma entrevista para a TV Itararé. Na pauta o livro do poeta esperancense SILVINO OLAVO e o resgate cultural que vem sendo empreendido por este pesquisador sobre as figuras e a história do nosso município. A reportagem terá cerca de três minutos e irá ao ar na próxima semana no programa Diversidades da TV Itararé, que é uma afiliada da TV Cultura de São Paulo. E será exibido às 13 horas, com reprise às 19 horas podendo ser visto ainda na página da Itararé na web (http://www.tvitarare.com.br/site/). O contato com a televisão foi feito pelo humorista Carlos Almeida, que incorpora o personagem "Gerimum" e faz parte da grade daquele canal. "Para nós foi uma grata satisfação e uma valiosa oportunidade para divulgar a nossa cidade que tem importantes personalidade e cuja história é rica em tradições. Nesse contexto respondemos algumas questões sobre Silvino Olavo e declamamos algumas poesias", disse o escritor. O progra…

Toinho da Mulatinha

Nascido Antonio Patrício aos 22 de outubro de 1927, irmão do famoso Dedé da Mulatinha (José Patrício) e outros nove irmãos, este agricultor da Mulatinha, município de Esperança/PB, aprendeu apenas as primeiras letras do ABC. No entanto, estas lhe foram suficientes para ganhar o mundo e a fama, e em especial, a cultura popular. Começou a cantar coco em 1940 e em 45 já publicava seu primeiro cordel: “A Viagem Sagrada”, seguindo-se outros oitenta e tantos títulos. Escolheu Campina Grande para residir, no bairro de Santo Antonio. Pai de dez filhos, não obteve o retorno do bem que fez a cultura popular, mas guarda no seu âmago as lembranças das viagens que fez pelo Brasil com seu irmão Dedé. Os seus versos, por muitos já fora elogiado. Eis aqui um pequeno exemplo da sua versatilidade:
“Em Sodoma tão falada/ Passei uma hora só/ Lá vi a mulher de Ló/ Numa pedra transformada/ Dei uma talagada/ Com caldo de mocotó/ E saí batendo o pó/ Adiante vi Simeão/ Tomando café com pão/ Na barraca de Jacó”.
(…

Esperança, poema de Magna Celi

ESPERANÇA
Esperança... O sinônimo Lírio Verde orgulhosamente sou tua filha na qual nasci e vivo até hoje.
Esperança... terra do poeta Silvino Olavo terra modesta de valores múltiplos hospitaleira és tu.
Esperança... parabéns por mais um aniversário, mais um amanhecer e por mais um anoitecer mais um dia que nasce.
Esperança... te quero sempre Lírio Verde, te busco sempre uma esperança te quero formosa, a terra onde nasci.
Magna Celi
Fonte: - CELI, Magna. Ode ao amor. João Scortech Editora: 1992.