Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2010

Resultado da enquete

Iniciamos o mês de agosto com a seguinte enquete: Qual órgão merece uma sede própria? E sugerimos três respostas: Biblioteca Dr. Silvino Olavo, Secretária Municipal de Educação e o Museu de Esperança, que está para ser criado. Esses três necessitam de uma construção para abrigar a sua instituição. A biblioteca mudou várias vezes de local. Nos anos 70 funcionou na Praça da Cultura. Depois mudou-se para o Calçadão, onde hoje é o Bradesco. Em seguida para o prédio do antigo Forum e atual Pelotão de Polícia, na Praça da Bandeira. E por fim, em uma das dependências do Prédio da Secretaria de Cultura ocupando algumas salas. A Secretária de Cultura - que deveria funcionar onde hoje é a Câmara Municipal, outro órgão que não possui sede própria no município – aproveitou o terreno do Casarão de Theotônio Tertuliano da Costa. E este mesmo prédio histórico está para abrigar o Museu Municipal, cujo projeto foi recém aprovado. Na opinião dos internautas (76%) o Museu de Esperança merece uma sede própr…

Estatísticas: Agosto de 2010

O quadro a seguir mostra o número de acessos neste mês de agosto/2010; as páginas mais visitadas de hoje e o histórico mensal.  Ontem tivemos 128 visitantes, num total de 2.934 neste mês.  Muito obrigado, Esperança!
Rau Ferreira

Cisnes / Sombra Iluminada

Capa do livro Cisnes / Sombra Iluminada, Edição Especial.
Reedição dos livros Cysnes (1924) e Sombra Iluminada (1927) do poeta esperancense SILVINO OLAVO, com organização de Marinaldo Francisco e Roberto Cardoso.

Descontinuidade Cultural, 1ª Parte

Da descontinuidade dos eventos artístico-culturais
Por Evaldo Brasil*
De novo, volto a insistir nessa reflexão, já publicada em alguns meios, acrescentando uma parte da história mais recente. O projeto Rondon passa por aqui, em julho, e nas propostas da equipe da Universidade Católica de Brasília/UCB, o CineEsperança e a ExpoEsperança. Pareciam, os estudantes da privada UCB, embasbacados com o que somos e o que temos e inversamente sensibilizados com a dificuldade que temos para agregar e potencializar essa “mão de obra”. Artesãos segmentados na AALE, Casa do Artesão e avulsos, apesar da Casa das Bonecas de Riacho Fundo e do artesanato em sisal de Massabielle. Artistas plásticos sem expor por querer a mínima estrutura. Poetas expondo e alguns se expondo. Grupos de dança, artistas performáticos, voz e violão ecoando no Caobe… seria praça da Cultura, seria Dom Palmeira. Não seria como se queria ou poderia ser a antecipação da Semana da Cultura imaginada para agosto, pelo dia 22 do folclo…

Estádio José Ramalho: 1960

Hoje sou luz, não sou trevas. Poema de Robéria Ferreira

Hoje sou luz, não sou trevas
Este poema é de autoria da minha irmã Robéria, que recebeu-o do Espírito Santo.
Tu és meu dono e meu Senhor És soberano ó Altíssimo Nada no mundo ira me impedir de Ti adorar e Ti servir A Ti consagro a minha vida Minha entrada e minha saída Abençoado seja o dia em que a Ti me prostrei Dia após dia me encantas A Tua presença fortalece-me Tua fidelidade me constrange, ó Senhor, O Teu amor é indescritível Qão insondáveis são os teus caminhos e os teus juízos Ó adorado e glorioso A Ti exalto ó Rei dos Reis, eu não mereço a tua graça mas agradeço o Teu cuidado O Teu amor me resgatou Hoje sou luz, não sou mais trevas! Em mim habita um novo cantico que glorifica ao único que é digno de honra, glória e louvor. Eu sei, ainda sou imprefeita, Mas com Teu sangue Tu me lavas Ainda sou uma criança Mas ainda assim quero servir-Te, dá-me a beber da tua água, dá-me a comer do Teu maná, ó Senhor!
Robéria Ferreira

Praça da Cultura: 1980

A garota propaganda do G2

A modelo e Miss Esperança 2010 - Elizângela Curvêlo - assinou na noite de ontem (25/08) um contrato de publicidade com o Portal G2. A beldade emprestará a sua imagem para a divulgação do site e seus eventos pelo prazo de um ano, podendo ser renovado por conveniência das partes. A jovem modelo esperancense é sinônimo de beleza, carísma e profissionalismo. E a sua imagem potencializa ainda mais este portal de notícias. As fotos da divulgação foram registradas pelas lentes do excelente fotografo Raniery Braga.
Rau Ferreira
Fonte: www.guiag2.com.br

Uma Esperança de preservação

A cidade de Esperança ainda possui um importante acervo predial das décadas de 20 à 40, a exemplo dos casarões da rua Manuel Rodrigues. Mas aos poucos esta realidade vem mudando. Alguns prédios tem sido reformados em detrimento do nosso patrimônio cultural. Citemos o edifício da antiga Farmácia S. Pedro, onde funcionou a farmácia de seu Nelson (ver foto). Por muitos anos esta construção manteve intacta as características arquitetônicas originais de sua época. Uma reforma porém tem alterado substancialmente este imóvel. Mas este caso não é o único, a residência do nosso primeiro prefeito e o Cine São José foram demolidos para abrigar uma agência bancária. É preciso uma política que resguarde esta arquitetura; o tombamento pode ser a solução. A medida inclusive é constitucional e totalmente viável desde que haja catalogação e uma lei que assegure o embargo numa eventual descaracterização. É importante frisar que o fato de se tombar um imóvel não impede outros gravames como o penhor e a hi…

Cultura em Esperança, 3ª Parte

Cultura & Arte: síntese de uma estória sem começo nem fim Por Evaldo Brasil
CULTURA: Cultura, palavra de origem latina, está definida pelo dicionarista Aurélio Buarque de Holanda por pelo menos 15 idéias. Mas, a partir da nossa compreensão, considerando o propósito temático desta publicação, selecionamos os itens que se relacionam. No 5, é “o conjunto de características humanas que não são inatas, e que se criam e se preservam ou aprimoram através da comunicação e cooperação entre indivíduos em sociedade”; e 6, que a define como “a parte ou o aspecto da vida coletiva, relacionados à produção e transmissão de conhecimentos, à criação intelectual e artística, etc.” Sugiro ainda, a verificação dos itens 7 a 12.
ORATÓRIA: Temos e tivemos contadores de história. Alguns deles estão registrados em livros sobre o município, como Francisco Rodrigues dos Santos, Francisco da Costa Braga e Maria Luiza da Conceição, além de Chico de Pitiu, Arlindo Delgado, Nino Pereira, José Régis e José Torres.…

Escritor esperancense lança livro

Lançado na última sexta-feira (20/08) em João Pessoa o livro “Coronel Elísio Sobreira: do heroísmo ao patronado”, escrito por Inácio Gonçalves de Souza. Elísio Augusto Sobreira de Carvalho destacou-se no Estado por exercer o comando da Força Policial, corporação que antecede a formação da PMPB, da qual ele é patrono. Esse esperancense, filho dos professores Juviniano e Maria Augusta Sobreira, nasceu no dia 20 de agosto de 1878. Exerceu importantes cargos políticos nesse Estado e ao lado do poeta Silvino Olavo, participou do movimento que eclodiu com a emancipação de sua terra natal. A obra discorre sobre a sua carreira militar, as lutas armadas, as interventorias em Alagoa Grande e Pombal e as principais condecorações. E pode ser adquirida na MondoVídeo Locadora com Vitório ou na Biblioteca Municipal de Esperança com Maria.
Rau Ferreira

Jornal "Tribuna de Esperança", 2ª Edição

Fonte: Jornal "Tribuna de Esperança". Jorn. Otílio Rocha: Julho/Agosto de 1986.

CMJP: 30 Anos

Fundado em 1980, pela professora Maria Alice Torres, a escola “Menino Jesus de Praga” completa este ano 30 anos de história e nesta trajetória assumiu outras denominações, criou uma segunda unidade e formou diversos alunos que se encontram no mercdo de trabalho dentro e fora de Esperança. Funcionou inicialmente em uma residência na Praça Augsuto Donado em uma casa cedida pelo seu esposo José Torres, com 50 alunos matriculados. O intuito era fornecer uma educação de qualidade. Os primeiros professores foram Ozimar Galdino, Vilma, Ana Dalva, Glória Garcia e Sandra Cardinale, porém muitos outros passaram pela instituição. No início dona Alice se encarregou em dirigir a escola, acumulando outras funções. Tempos depois foi auxiliada pela sua filha Lila Torres, que também é psicóloga. E desde 2006, a função pertence a Daniela Torres e Felippe Augusto, que deram “força nova” a equipe. Do quadro antigo permanecem prestando serviço Fátima, Márcia, Netinha, Socorro Cosmo, Dora, Josinélia, Lena e Lo…

Propagandas do passado

Cultura em Esperança, 2ª Parte

Cultura & Arte: síntese de uma estória sem começo nem fim Por Evaldo Brasil
O SHAFMAC, trupe fundada em 12 de março de 77, tendo em seu nome as iniciais dos componentes Socorro, Hildemar, Albanete, Felipe, Manoel Cleonides e Adalberto Cavalcante, parceiro do artesão Felipe Guerra na autoria de “Escravos do Ódio” e “Fúria de um Deus”. O açude de Samuel foi palco de ensaios e cenário para fotografias. Apesar das iniciativas, a cidade ainda não possui um espaço adequado para os eventos teatrais. Tais grupos já não existem. A antiga Biblioteca Pública, anunciada como Centro Cultural no livreto de conclusão do segundo mandato de Luiz Martins (73/76), não possuía tal espaço, nem mesmo hoje renomeada “Centro Cultural e Biblioteca”. Os grupos ensaiavam nos auditórios do Ginásio Diocesano, do antigo Salão Paroquial, nas casas de seus membros ou ao ar livre. Em 09 de julho de 85, surge novo grupo, o “Panela de Barro”. Tinha o auditório do CSU à disposição, mas só conseguiu, durante três meses, …

Propagandas do passado

Vitória Régia Coêlho

BALUARTE HISTÓRICO E CULTURALDE ESPERANÇA” Cantora, compositora, seresteira e ensaista, Vitória Régia Coêlho é hoje o maior baluarte histórico e cultural de Esperança. Nascida em 11 de novembro de 1942, filha do saudoso professor José Coêlho e de dona Maria Rodrigues Coêlho, esta autêntica esperancense tem desenvolvido durante toda a sua vida uma brilhante carreira. Concluiu o ginasial no Colégio Estadual de Esperança e fez o curso Pedagógico no Liceu Paraibano, em João Pessoa. Lecionou no Grupo Escolar “Irineu Joffily”, atuou como Agente de Atividade Operacional da Segurança Pública e Bibliotecária do Colégio Estadual. Como cantora e seresteira participou de diversos bailes e animou muitas festas nos clubes sociais de nossa cidade. É autora do Hino Oficial de Esperança (Lei Municipal nº 457/85), do América Futebol Clube, do Centenário da Paróquia do Bom Conselho e da cidade de Areial. E na qualidade de ativista cultural, organiza desfiles cívicos, pastoril, quadrilhas, festas de personal…

I Emarpe

Começa hoje o primeiro Encontro Municipal de Arte Popular de Esperança - EMARPE. A abertura está prevista para as 09:30 horas, com a apresentação da Banda Filarmônica 1º de Dezembro e participação das Escolas "Irineo Joffily", "Wellington Vital", "Lagedão" e "Logradouro". Haverá declamação de poemas, música e emboladores de coco, com destaque para a amostra de dança da APAE e o show humorístico de Gasparzinho. A tarde haverá coral e flauta, dança, pastoril, hip-hop e dublagem produzido pelas escolas municipais. E à noite, Zé Pretim e Trio, recital de poesia, voz e violão e muita música com Ronildo Golveia, Emmanuelle Santos e Ângelo Rock. A programação completa você pode conferir no blog "Andrade Notícias", no seguinte link: http://andradenoticias.blogspot.com/2010/08/programacao-i-encontro-municipal-de.html
Rau Ferreira

Portal G2 em destaque

O Portal G2 inicia um novo ciclo com uma grande promoção e agora em parceria com a Miss Esperança, Elizângela Martins que deve fazer a divulgação do site. Além disso o portal disponibiliza notícias atualizadas e o guia comercial, textos exclusivos dos colunistas e eventos culturais. Conheça o Portal G2 - Exclusivamente para você! Acesse: www.guiag2.com.br
Rau Ferreira
Fonte: - Foto e informações fornecidas pelo Editor do site, Diêgo Rodrigues.

Cultura em Esperança, 1ª Parte

Cultura & Arte: síntese de uma estória sem começo nem fim Por Evaldo Brasil
Esperança foi grande quando pequena”. Esta afirmação atribuída a Silvino Olavo pelo professor Nino Pereira vem a calhar para falar dos aspectos culturais de Esperança. Como a grande maioria das cidades brasileiras, não tem e nunca teve um plano de ação cultural. Portanto, circularemos entre o pouco que temos e o que já tivemos, passeando nos campos da história e da saudade. O teatro mantém uma relação íntima com a escola, onde participar de um “drama” organizado pela professora foi motivo de orgulho, principalmente se for em grupo de catequese, montando peças bíblicas, caso em que preconceitos não vêm à tona. Por isso, hoje, a “Paixão de Cristo”. Mas, a professora areiense Donatila Lemos de Melo, por volta de 1953, deu os primeiros passos na dramaturgia local. Ela selecionava entre alunos os mais desenvoltos, de melhor dicção e expressividade para, com eles, montar textos dela. Normalmente de caráter didátic…

Arraial da Esperança: 1994

Acervo: Evaldo Brasil

1949: Inaugurações em Esperança

Em 31 de março de 1949, o jornal “A União” noticiava duas importantes inaugurações no município de Esperança: o Cemitério Público de Areial e a Escola do Lagêdo. A cidade de Areial ainda não havia se emancipado, o que só viria a ocorrer em 1961. E na época, a prefeitura local construiu um cemitério para as pessoas daquela localidade. Na mesma data foi inaugurada a Escola Rural de Lagêdo, construído pelo Governo do Estado com o auxílio da União. O Prefeito Júlio Ribeiro enviou um telegrama ao Governador Oswaldo Trigueiro, em agradecimento ao apoio do Estado.
Rau Ferreira
Fonte: - Jornal “A União”, Órgão Oficial do Governo do Estado: 31/03/1949, p. 03;

Propaganda do passado

Eletrônica Barbosa, de de Antonio Barbosa. Publicado na Tribuna de Esperança, em 1986.

Joaquim Virgolino da Silva

Joaquim Virgolino da Silvafoi um importante cidadão esperancense. Comerciante, proprietário de terras, político e suplente de juiz com exercício neste termo judiciário. Nascido em 1900, assumiu a Prefeitura de Esperança por duas vezes em 1947 (março à novembro) e na gestão 1955/1959, eleito com 1.465 votos. Com seu irmão Heleno Henriques fundou e administrou a Cooperativa de Batatinha em 1934, que adquiriu sede própria em 1945. Na condição de juiz deu impulso a diversos procedimentos realizados no Forum “Dr. Samuel Duarte”. E no comércio era bastante promissor. A sua casa comercial – loja de tecidos “A Futurista” - era uma das mais frequentadas e sortidas da cidade. Surgiu em 1930 e descerrou suas portas em 1950. Como político era muito respeitado e tinha a fama de ser honesto, segundo depoimento do Dr. João de Patrício, além de chefiar o partido da UDN em Esperança. Destacou-se ainda na Presidência do Santa Cruz Futebol Clube, uma das primeiras equipes formadas em nossa cidade, grande …

Tribuna de Esperança: 1986

Edição Nº 01 do jornal "Tribuna de Esperança", junho de 1986. Jornalista Otílio Rocha.

Esperança: Densidade demográfica

Em nossas pesquisas encontramos várias referências a cidade e seus habitantes em diversos momentos da história. E na maioria deles, há menção a sua população. É interessante fazermos um registro da densidade demográfica do município de Esperança, para entendermos um pouco de sua expansão. Contudo, não encontramos escritos que digam respeito à antiga “Banabuyê”, mas acredita-se que esta era bastante habitada pois em pouco tempo foi elevada a categoria de distrito e posteriormente à vila, sendo emancipada em 1925. Em 1914, Coriolano de Medeiros escreve que a Vila de Esperança, distante 15 Km da sede (Alagoa Nova), possuia 800 moradores. Por sua vez, no ano de 1950, a cidade apresentava 7.076 pessoas (29,05%) e a zona rural 17.275 (70,95%), de um total de 24.351 habitantes. Na década de 60 houve o desmembramento dos municípios de Areial e Montadas, e a nossa população de Esperança ficou em torno de 18.018 habitantes. Em 1970 eramos 21 mil pessoas, sendo 9.801 homens e 11.199 mulheres. Deste…

Fazenda "Bela Vista"

Localizada na "Ladeira do Moco", no final da rua Barão do Rio Branco (Beleza dos Campos).

Reunião Cine S. Francisco

Dedicatórias 2

Mário de Andrade visitou a Paraíba em fevereiro de 1929, “com o fim de coligir mais documentação para sua obra do folclore musical do Brasil” (A União, 29/01/1929). O festejado autor de Macunaíma, fez-se acompanhar de alguns intelectuais da época como José Américo de Almeida, Ademar Vidal e Silvino Olavo, ligados à revista “Era Nova”, a quem chamou de “amigos”. Estes o esperaram no caminho e o conduziram até o hotel de sua estadia, onde uma “aranha enorme” lhe causou forte impressão. Silvino Olavo reavivou sua memória e o fez escrever em cartas a imagem da sua pessoa “me abraçando” (O Turista Aprendiz, p. 307). Além deste gesto de carinho afável de Silvino Olavo, o escritor paulista recebeu de suas mãos uma edição de Sombra Iluminada com uma dedicatória, cuja reprodução segue:
A Mário de Andrade - o que/ tudo destruiu para que não nos/ destruíssemos a nós mesmos - / admirando-o e estimando-o/ bem, of./ Silvino Olavo./ Paraíba/ 30.1.929”.
Rau Ferreira
Fonte: - Boletím Bibliográfico Vol. 42…

Feira de panelas

Estação Fiscal

O sistema de arrecadação estadual foi implantado no município de Esperança no ano de 1943. Na época, denominava-se “Estação Fiscal” e sua finalidade precípua era o recebimento de taxas e impostos (ICMS, ITBI etc), bem como prestar orientação aos contribuintes. Os primeiros servidores deste órgão foram: Manoel Camelo Júnior (Coletor) e António Guimarães Machado (Escrivão). Em 1985 o Coletor Estadual era José Hiran Marinho, contando aquela unidade fiscal com as 14 contribuintes atacadistas; 42 varejistas; 6 indústrias, 121 contribuintes estimativos, 61 ambulantes, 19 feirantes, 5 depósitos de empresas, 4 prestadoras de serviços, e ainda, cooperativa, armazém geral e empresa de transporte, num total de 275 contribuintes inscritos. A nossa circunscrição fiscal compreende também as cidades de Areial e Montadas. No detalhe da foto a fachada da Estação Fiscal na década de 40, que nos foi enviada pelo nosso colaborador Welton Souto.
Rau Ferreira
Visite: http://soempre.blogspot.com - Sempre! Fonte:…

Sempre!

Sempre! Sociedade Esperancense de Memória e Preservação
Visite: http://soempre.blogspot.com/

Propaganda: 1934

Fonte: Anuário do Estado da Parahyba: 1934, p. 140

Todo mundo quer ser repórter

O "boom" tecnológico trouxe grandes novidades e a acessibilidade aos meios de comunicação e midiáticos estão cada vez mais inseridos no nosso cotidiano. Pessoas das mais variadas idades ingressam em redes sociais e compartilham informações. Nesse contexto o blog surgiu como diário eletrônico onde os internautas expunham as suas vidas. Hoje, esta ferramenta serve a outros propósitos. Mas o que nos chama a atenção são os incontáveis sites de notícias que tem se tornado uma verdadeira febre. Todo mundo quer ser repórter! Vocacionados ou não, se arriscam com divulgação de texto e conteúdo ou desrespeitam os direitos autorais. São poucos os que citam as fontes; a maioria sevale dos atalhos "Control C" + "Control V" (copiar e colar). Aonde vamos parar? Enquanto isso o Congresso Nacional discute a exigência do diploma de jornalismo e busca uma maneira de coibir os crimes cibernéticos. Aguardamos uma solução justa.
Rau Ferreira

SOL: Na linha de produção de 30

Na década de 1930, Silvino Olavo encontrava-se afastado do cenário jornalístico e literário paraibano por problemas de saúde. Mas não deixava de produzir os seus textos, que recebiam porém publicações esparsas. Foi assim com o prefácio que fizera para o livro do seu confrade poeta, Leonel Coêlho (Misérias: 1936), onde escreveu: “Seus sontetos, em maioria, são híspidos, hostis, como espigões de pedra”. E mais adiante, comentando o soneto “Branca Dias” sobre quem sopesara-lhe a amargura da inquisição, poema que fala em morte, crime, tragédia e assassinato, escreve: “Feio? Sem arte! É um registro! Não há dúvida... Tudo o que narra o poeta é verdadeiro! É n'ua, é cr'ua a verdade, vasada em versos de forma tão torturante quanto os fatos em que se expurgam tantos espasmos com 'tanto horror perante os céus'”. E ainda nos versos inéditos que se reuniram em uma única edição, por ocasião do seu Centenário Natalício:
“......... ......... ......... ......... ......... ......... Para c…

Imagem: Antigo Banco do Estado, 1985