Pular para o conteúdo principal

Entrevista: José Iderlânio da Silva

José Iderlânio da Silva é natural de Pilões/PB e filho do nosso querido Newman - ex-goleiro do América F. C.. Atualmente reside em São Paulo e trabalha como Gerente de Recursos Humanos de uma grande empresa multinacional.
Iderlânio jogou no América de 1985 à 1993, ganhando destaque na posição de lateral esquerdo e vezes meia esquerda, mas também defendeu equipes de Areial, Mossoro, Pilões e São Paulo.
Em sua temporada no América esperancense lembra com orgulho as duas vitorias sobre o Trezinho na Liga Campinense de Futebol (1 x 0 e 2 x 0), e o empate com o Campinense em Esperança (1 x 1), “num torneio em que fomos campeões”.


“A melhor partida que joguei na minha vida foi na derrota do 'Mequinha' juvenil para o Flamengo de Luziete pelo score de 2 x 1, na qual fui o melhor em campo inclusive com um gol meu. Diziam antes da partida que iriamos levar uma goleada e o que aconteceu foi um trabalho danado para o Flamenguinho ganhar aquela partida, eles tinham na época uns dos melhores time da região do brejo”.
O gol mais bonito que fez pelo América foi na vitoria de 3 x 0 frente a Eletrônica Diniz pelo o campeonato local: chutei a bola mais ou menos do meio do campo e fiz o gol em Leal que era o goleiro”.


Nessa época eram seus companheios de equipe: Goleiro - Ademir / Pequeno; Lateral Direito – Fabio; Zaqueiros - Marcone e Nenen; Meia Direita – Negrito; Meia Esquerda – Nego; Volante - Nelson de São Miguel; Ponta Direita - Marquinhos de Moleque; Ponta Esquerda - Etinho de Luziete e atacante - Pelezinho de UA.
Na sua opinião José Ramalho foi um grande desportista e benfeitor do América, mas o grande administrador do clube foi seu Edmilson Nicoulau:


“Seu Edmilson e Rulipa faziam o impossível pelo América, o seu Edmilson tinha um cuidado especial com os jogadores, principalmente quando disputavam o campeonato de juniores, faziam o maior esforço para tudo dar certo.
O melhor treinador que tive foi na época que joguei foi o finado Ubiratan”.
O ex-jogador comenta que o América sempre foi respeitado em partidas e competições das quais participou; e lembra que “a torcida adversária ficava nervosa, especialmente depois das notícias da viagem que o América fez à Espanha”. E lamentou a falta de apoio e as dificuldades que o clube vem enfrentando nos últimos anos:

“O comércio e os poderes públicos deveriam se empenhar mais na preservação deste nosso patrimônio. Quando visito minha família em Esperança sempre vou bater uma bola no campo do América, e as vezes dá até tristeza de ver o palco em que tive tantas alegrias nas tarde de domingo naquela situação”.
O José Iderlânio sempre foi bom de bola, um jogador de grande nível técnico. E um excelente estudante, tanto que não foi difícil alcançar uma posição de destaque em sua profissão. Seu maior sonho “é voltar um dia para Esperança e jogar no time Senior no campo do América gramado e em um domingo lotado de torcida, como antes”.
Encerrando a nossa entrevista, Iderlânio escalou os companheiros de sua época para jogar nesse time:

Goleiro - Ademir , Rochinha ou Pequeno
Lateral Direito - Marconi ou Fabio
Lateral Esquerdo - Deli de Newman
Zagueiros - Ronaldo de Luziete ou Preto e César cabeção
Meio Campo - Jeomarcos, Pelezinho, Naldo e Negrito ou Fuquinha de Arlindo
Atacante - Etinho de Luziete e Givanildo
Uma perfeita seleção brasileira!
No detalhe da foto vemos Iderlânio e seu pai Newman.

Rau Ferreira

Fonte:
- Entrevista virtual com José Iderlânio da Silva, 03 de julho de 2010 (e-mail).

Comentários

  1. Olá!

    Leia artigo sobre a importância do patrimônio histórico material e ainda concorra a R$ 1.000,00 em prêmios. Acessar em: www.valdecyalves.blogspot.com

    (DORAVANTE SÓ CONTINUAREI SEGUINDO BLOGS QUE ME SEGUIREM. IMPOSSÍVEL FORMAR REDE SÓ QUANDO UM LADO SEGUE - PRECISAMOS SOMAR - RECIPROCIDADE)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…