Pular para o conteúdo principal

Entrevista: José Iderlânio da Silva

José Iderlânio da Silva é natural de Pilões/PB e filho do nosso querido Newman - ex-goleiro do América F. C.. Atualmente reside em São Paulo e trabalha como Gerente de Recursos Humanos de uma grande empresa multinacional.
Iderlânio jogou no América de 1985 à 1993, ganhando destaque na posição de lateral esquerdo e vezes meia esquerda, mas também defendeu equipes de Areial, Mossoro, Pilões e São Paulo.
Em sua temporada no América esperancense lembra com orgulho as duas vitorias sobre o Trezinho na Liga Campinense de Futebol (1 x 0 e 2 x 0), e o empate com o Campinense em Esperança (1 x 1), “num torneio em que fomos campeões”.


“A melhor partida que joguei na minha vida foi na derrota do 'Mequinha' juvenil para o Flamengo de Luziete pelo score de 2 x 1, na qual fui o melhor em campo inclusive com um gol meu. Diziam antes da partida que iriamos levar uma goleada e o que aconteceu foi um trabalho danado para o Flamenguinho ganhar aquela partida, eles tinham na época uns dos melhores time da região do brejo”.
O gol mais bonito que fez pelo América foi na vitoria de 3 x 0 frente a Eletrônica Diniz pelo o campeonato local: chutei a bola mais ou menos do meio do campo e fiz o gol em Leal que era o goleiro”.


Nessa época eram seus companheios de equipe: Goleiro - Ademir / Pequeno; Lateral Direito – Fabio; Zaqueiros - Marcone e Nenen; Meia Direita – Negrito; Meia Esquerda – Nego; Volante - Nelson de São Miguel; Ponta Direita - Marquinhos de Moleque; Ponta Esquerda - Etinho de Luziete e atacante - Pelezinho de UA.
Na sua opinião José Ramalho foi um grande desportista e benfeitor do América, mas o grande administrador do clube foi seu Edmilson Nicoulau:


“Seu Edmilson e Rulipa faziam o impossível pelo América, o seu Edmilson tinha um cuidado especial com os jogadores, principalmente quando disputavam o campeonato de juniores, faziam o maior esforço para tudo dar certo.
O melhor treinador que tive foi na época que joguei foi o finado Ubiratan”.
O ex-jogador comenta que o América sempre foi respeitado em partidas e competições das quais participou; e lembra que “a torcida adversária ficava nervosa, especialmente depois das notícias da viagem que o América fez à Espanha”. E lamentou a falta de apoio e as dificuldades que o clube vem enfrentando nos últimos anos:

“O comércio e os poderes públicos deveriam se empenhar mais na preservação deste nosso patrimônio. Quando visito minha família em Esperança sempre vou bater uma bola no campo do América, e as vezes dá até tristeza de ver o palco em que tive tantas alegrias nas tarde de domingo naquela situação”.
O José Iderlânio sempre foi bom de bola, um jogador de grande nível técnico. E um excelente estudante, tanto que não foi difícil alcançar uma posição de destaque em sua profissão. Seu maior sonho “é voltar um dia para Esperança e jogar no time Senior no campo do América gramado e em um domingo lotado de torcida, como antes”.
Encerrando a nossa entrevista, Iderlânio escalou os companheiros de sua época para jogar nesse time:

Goleiro - Ademir , Rochinha ou Pequeno
Lateral Direito - Marconi ou Fabio
Lateral Esquerdo - Deli de Newman
Zagueiros - Ronaldo de Luziete ou Preto e César cabeção
Meio Campo - Jeomarcos, Pelezinho, Naldo e Negrito ou Fuquinha de Arlindo
Atacante - Etinho de Luziete e Givanildo
Uma perfeita seleção brasileira!
No detalhe da foto vemos Iderlânio e seu pai Newman.

Rau Ferreira

Fonte:
- Entrevista virtual com José Iderlânio da Silva, 03 de julho de 2010 (e-mail).

Comentários

  1. Olá!

    Leia artigo sobre a importância do patrimônio histórico material e ainda concorra a R$ 1.000,00 em prêmios. Acessar em: www.valdecyalves.blogspot.com

    (DORAVANTE SÓ CONTINUAREI SEGUINDO BLOGS QUE ME SEGUIREM. IMPOSSÍVEL FORMAR REDE SÓ QUANDO UM LADO SEGUE - PRECISAMOS SOMAR - RECIPROCIDADE)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.