Pular para o conteúdo principal

SOL: Critica literária

A “Revista de Língua Portuguesa”, em 1928, publicou uma crítica literária a “Sombra Iluminada”. Este, que foi o segundo livro poético de Silvino Olavo, havia sido lançado recentemente pelo autor e recebia suas primeiras impressões.
Ao analisar a obra, cita três poemas de seu livro, além de salteadas estrofes: A Legenda do Último Cysne, que considera “uma poesia typica do modo do autor”; Deslumbramento, e Contrição. E considera o seu autor “igualmente um melancólico”.
Naquele tempo, porém, ainda não se afigurava a silueta do Simbolismo, corrente literária que foi dominada por Silvino e cuja representação na Paraíba se fez mais forte. Talvez por essa razão o crítico não tenha entendido tão bem o alcance dos seus versos, embora considere que “Todo o seu livro se faz de meios tons de uma suavidade encantadora.”
Mas foi citando “A Minha Sombra” que o julgador apresentou o senso mais apurado ao seu estilo, que “Não é exuberante nem para a alegria, que não manifesta em nenhuma das suas composições, nem para a tristeza, que nunca chega ao desespero e à imprecação”. Eis a estrofe para que o leitor lhe dê ou não razão:
Sou apenas o eco de uma queixa
Imensa e vã que se perdeu no espaço
E, hoje, cantando esta suave endeixa,
Quase inaudível entre os homens passo.
A sua “Sombra Iluminada” é, na sua opinião, um livro “sadio”, ao que o analista prefere “Para abandonar um pouco de todos esses doentes”.
Passou-lhe desapercebido entretanto, que o poeta esperancense se deixara revelar na “Legenda do Último Cysne”:

Meu canto é o canto da Renúncia
- horto aromático de mágoa –
requer ternura na pronúncia,
tem sugestões de lua n’água...

Ao citar “a pequena poesia Contrição, feita em dísticos”, que transcrevo a seguir:

Bem sei quanto o pecado em min, Senhor,
Fez-se excessivamente pecador!

A carne é triste! E, quando a carne pede,
Nossas alma humana quase sempre cede...

Deste-me agora esta filosofia
Que, da fusão da Dor e da Alegria,

Sabe extrair, sem Dúvida e Ansiedade,
A água divina da Serenidade.

Fonte do Mal, em que bebi venenos,
A Vida, hoje, me dá fluídos serenos.

Para que eu traga em versos e canções,
Consolo a alma dos tristes e dos bons!

Louvado seja nome do Senhor!
Finaliza considerando que “Em todo caso, Silvino Olavo, é authenticamente um bom poeta”.

Rau Ferreira

Fonte:
- Revista de Língua Portuguesa, Volume 9 - Edição 51, Ed. União Editora: 1928, p. 122/126.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…