Pular para o conteúdo principal

A vida acadêmica de Silvino Olavo


Trazemos aqui em poucas linhas o histórico acadêmico do poeta esperancense Silvino Olavo. Sua trajetória literária e a experiência junto ao Governo do Estado, num pequeno resumo biográfico.
Como se sabe, Silvino Olavo nasceu no dia 27 de junho de 1897, na Fazenda Lagoa do Açude, filho primogênito do casal Manoel Joaquim Cândido e Josefa Martins Costa. Sendo batizado naquele mesmo ano.
Em 1915 sua família decide morar em Esperança. Aqui ele teve as suas primeiras lições com Joviniano e Maria Augusta Sobreira.
O professor Juviniano Augusto de Araújo Sobreira, nasceu em 1855 na Fazenda Cabeça de Boi, e foi proprietário de um externato na cidade de Esperança. Sua esposa, prestou igualmente relevantes serviços à educação esperancense.
Consta ainda que em 1889 Maria Augusta Sobreira de Carvalho, recebia do Tesouro Provincial o aluguel de uma casa para funcionamento do Ensino Misto de Instrução Primária, onde também lecionava.
Logo após foi estudar em João Pessoa, no Colégio Pio X, tendo concluído em 1920 e prestado exame vestibular.
De lá partiu para o Rio de Janeiro, onde inciou o curso de Ciências Jurídicas (1921). Para ajudar na mesada passou a trabalhar na Agência dos Correios e Telégrafos e atuou como revisor de jornal.
Na Faculdade foi redator da revista dos alunos de Direito, denominada de “A Época”, onde publicou alguns artigos.
Em 1924 conclui seu curso universitário e é eleito orador oficial da turma. Neste mesmo ano publica seu primeiro livro “Cysnes” e o discurso “Estética do Direito”.
Retornando à Paraíba em 1925, inicia um levante, juntamente com outros esprancenses ilustres, em prol da emancipação municipal, onde proclama o seu famoso discurso: “Esperança – Lírio Verde da Borborema”.
 
Rau Ferreira

Fonte:
- Pequena Biografia do Poeta Silvino Olavo, por Roberto Cardoso - Jornalista. Cisnes/ Sombra Iluminada – 2a Edição, 1985 – p. 3/5;
- A vida dramática de Silvino Olavo, autoria de João de Deus Maurício, João Pessoa/PB, Unigraf, 1992;
- Badiva: poesias inéditas de Silvino Olavo, Marinaldo Francisco de Oliveira (Org.), Espeança/PB, Secretaria Municipal de Educação e Cultura, 1997 - p. 26/28.
- Jornal “A União”, suplemento “Arte e Literatura”, Estado da Paraíba, edição de 21/02/1926, artigo de capa;

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.