Pular para o conteúdo principal

Hilda Batista

Maria Hilda Batista Soares, Dona Hilda como era mais conhecida, nasceu no dia 28 de novembro de 1924, filha de Francisco Batista Júnior (seu Chiquinho) e de dona Maria da Costa Júnior (Dona Sula), natural de Esperança, cuja família apesar de humilde era muito tradicional, tendo ela se destacado como grande cantora e realizadora dos eventos sociais de nossa Cidade.
Sua intimidade com a música começou muito cedo. Em uma determinada época, por questões políticas, seu pai teve que residir em Campina Grande e a pequena Hilda foi estudar na Escola das Damas, onde teve seus primeiros contatos com o canto orfeônico e litúrgico, provavelmente aos 12 anos de idade.
Ali apredeu as técnicas vocais e apesar de não estudar partitura desenvolveu com bastante habilidade o seu dom, dedicando sua voz em louvor a Deus. “Meu canto ao Senhor é uma oração”, dizia.
Tempos depois a família retornou a cidade de Esperança e em 1942 ela fundou a Escola Cantório “Sagrado Coração”, cujo coral fez história e existiu durante 12 anos, animando as festividades locais e as missas da Igreja Matriz.
Na vida profissional trabalhou por cerca de 40 anos na Escola Estadual “Irineo Joffily”, onde exerceu as funções de Inspetora de aluns e depois lecionou alfabetização nas séries iniciais.
Por ocasião do afastmento da Diretora Aluce Duarte por questões de saúde, assumiu a direção daquele educandário, oportunidade em que encaminhou ao Governo do Estado seis pedidos de efetivação de funcionários, sendo atendida em todos eles.
Como promotora social organizou os mais diversos eventos festivos e sociais da época, a exemplo da festa das baianas, os cordões e desfiles de 7 de setembro.
Apesar de ser uma pessoa de pouca instrução tinha uma visão ampla da nossa realidade e das instituições, de modo que se relacionava com pessoas de todos os níveis, professores, doutores etc., com uma grande desenvoltura e capacidade de argumentação, sendo por isso muito elogiada.
Preocupava-se com com o futuro dos jovens, a violência e a acirrada luta no campo de trabalho, sempre aconselhando: “Seja juventude que vala a pena e não juventude que dê trabalho”.
Considerava que a sociedade antiga era mais sadia, havia mais coleguismo e os laços de amizades eram mais fortes. Católica fervorosa, rezava o terço diariamente.
Era casada com o Sr. Martinho Soares dos Santos e mãe do Martinho Júnior.
Viveu intensamente os anos de ouro da juventude brasileira e participou ativamente da vida religiosa da cidade, dando sua contribuição na formação de muitos jovens e na cultura vocal de Esperança.
Faleceu em 14 de fevereiro de 2009 após haver cumprido com muita honra a sua missão nesta terra.

Rau Ferreira

Fonte:
- Entrevista ao Historiador Martinho Soares dos Santos Júnior, filho da biografada, concedida em 17/07/09;
- Arquivo pessoal, documentos e fotos da família.

Comentários

  1. ahhh me lembro muito da Hilda Batista, muito boa amiga, sempre estava junto da minha mae Nevinha e seus atesanatos, minhas filha aprenderam crochê com elas, hoje elas estao na historia para sempre, saudades.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por sua louvável e intessante iniciativa de lembrar em seu blog as personalidades amigas da cidade de Esperança, pois uma cidade sem memória é uma cidade sem passado, é como alguém que sofre de amnésia e por tal motivo não pode distinguir quem é amigo ou inimigo. Que o seu blog sirva de inspiração para outras personalidades realizadouras e inteligentes.
    Não contive a íntima e pesoal alegria e satisfação de ver a biografia de minha mãe muito bem escrita pelo amigo Rau.Um sincero agradecimento e abraço!

    Martinho Júnior

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…