Pular para o conteúdo principal

Silvino Olavo comenta "Quando veio o crepúsculo...", de Téo-Filho.

A edição de domingo do Jornal “A União”, do dia 07 de março de 1926, trás em seu suplemento “Arte e Literatura”, mais uma crítica literária de Silvino Olavo da Costa, consoante o próprio sumário nos diz.
Trata-se de um comentário a cerca do livro “Quando veio o crepúsculo”, de Téo-Filho (sic), que nas suas palavras, era um “romancista de maior atividade”. Ressalta, porém, que esta sua intensa produção se dá por “força de contrato com a grande casa editora – Livraria Leite Ribeiro”.
Ele destaca que o autor divide a sua jornada de trabalho, de catorze horas, entre o Ministério do Interior e a direção de três empresas literárias, sobrando-lhe ainda algum suficiente para a “vitoriosa faina dos romances”.
O livro faz parte de uma série que Téo-Filho (sic) iniciou um ano antes, com a obra “Perfume de Querumbina Dorla”, sendo a presente uma continuação.
Em seu artigo, Silvino refuta a opinião que incide sobre Téo-Filho (sic) culpando tão-somente a sociedade que ele descreve.
Assim diz: “O papel do historiador psicológico da sociedade moderna, na tirania do seu otimismo pragmatista, é o de seu registrador de sensações e o de um fixador de atitudes efémeras. Se a obra de Téo-Filho (sic) é fútil, a culpa não é sua e sim da sociedade que ele descreve, tal como é a sociedade do Rio de Janeiro”.
E a cerca dos seus dotes literários, assevera que ele “Não é nem um analista ao modo de Paul Bourget nem um imaginativo. É antes um memorialista à maneira de Marcel Proust”.
Ao longo de seu discurso, descerra inúmeros elogios ao escritor de “Quando veio o crepúsculo...”, ao passo que menciona alguns capítulos traçando-lhes a construção.
E relembra, nas suas páginas, a visita que fez ao Rio de Janeiro, acrescentando que teve: “a impressão amorável de me transladar novamente aquele meio de gente sonhadora e blague use e refluir aquele convívio esfuziante de viver e de faceias inconsequentes”.
Encerra, pois, com um voto de gratidão por tê-lo proporcionado um prazer espiritual e integra-lo, por algumas horas, naquele suave convívio social.

Notas sobre Téo-Filho: Nome: Manuel Teotônio de Lacerda Freire Filho, “Téo-Filho”, natural de Recife-PE, nascido em 1895 e falecido em 1973 no Rio de Janeiro-RJ. Sua obra “Quando veio o crepúsculo”, editada em 1926, pode ser classificada como “Romance e Novela”.

Rau Ferreira

Fonte:
- Jornal “A União”, órgão Oficial do Governo do Estado da Paraíba, suplemento “Arte e Cultura”, edição de capa, domingo 07/03/1926;
- COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras, 2001: 2v;
- Site da UFSC, disponível em:
http://www.literaturabrasileira.ufsc.br/Consulta/Autor.php?autor=12293, acesso em 31/07/2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…