Pular para o conteúdo principal

Riacho Fundo da "Boneca Esperança"

Você já ouviu falar no “Sítio Cruzeta”, não? Mas em Riacho Fundo, terra da Boneca Esperança, com certeza!
Bem, este era o nome antigo da Comunidade, e isto se devia a uma encruzilhada que existia ali. A mudança do nome ocorreu durante uma forte tempestade. Muitas pessoas se encontravam na missa e ficaram sem poder voltar para as suas casas devido a uma forte correnteza de água que se formou, acabando com as estradas. O pároco vendo aquela situação, sugeriu o nome de “Riacho Fundo”, pois nas proximidades havia um riacho que ficou completamente cheio com a vasante.
A primeira casa construída pertencia a Pedro Mangueira. Na lateral daquela residência tem uma garagem que já funcionou como escola. Hoje está bastante desenvolvida. Várias pessoas passaram a morar na localidade, fixando suas casas. Em seguida, a administração municipal dotou de infraestrutura o povoado, construíndo a escola, um posto de saúde e fazendo o calçamento.
Ali também encontramos a “Casa da Boneca Esperança”, especializada na confecção destas boneca de pano tão especial para os moradores.
O Padroeiro de Riacho Fundo é São Pedro, devido a uns azulejos que formavam a imagem do santo e que foram trazidos do Rio de Janeiro por seu Francisco Elói. A festa é comemorada no dia 29 de junho, dia dedicado ao santo.
O terreno para a construção da Igreja foi doado por Abel Barbosa de Souza, um morador da localidade. E o padre que celebrou a primeira missa foi Dom Manuel Palmeira.
Ele também doou o terreno para a construção da escola em 1974. A primeira professora a lecionar naquela unidade foi Hosana Matias e a diretora era Maria da Paz Basílio de Lima.
Mas antes, quando a escola funcionou na garagem, ensinaram Filomena Maria dos Santos e Antonia Guedes.
No Sítio Riacho Fundo moram cerca de oitenta e três famílias, que praticam agricultura de subsistência. Muitas delas se beneficiam do artesanato.
A tradição das bonecas começou com as irmãs Maria do Socorro e Aderita da Conceição, que aprenderam com a tia Maria Vicença a arte de fazer bonecas a partir de retalhos de pano.
Por muito tempo elas produziram as bonecas desconhecendo o seu destino. Não sabiam elas que existia um mercado próprio para aquela arte e que era bem valorizada nas cidades e feiras onde eram expostas. Existia uma senhora em Areal, que adquiria a produção em troca de mercadorias (alimentos) e algum dinheiro.
Até que em 1999 foram descobertas pela senhora Maria do Carmo Gomes, conhecida por “Macao”. Esta consultora da Comunidade Solidária, veio de Brasília para conhecer as artesãs, acompanhada do artista popular Geo de Oliveira e Ednalva Oliveira, proprietários da loja “Banguê”, de João Pessoa.
Com o desenvolvimento do “Projeto Brinquedos do Agreste Paraibano”, uma parceria da Comunidade Solidária, do SEBRAE e da SUDENE, é que as técnicas de criação da boneca foram aprimoradas e repassadas para outras pessoas, ganhando um visual mais atraente e conquistando seu espaço mercadológico.
Hoje a “Boneca Esperança” conta com uma produção de mil unidade, que são vendidas para hotéis de Campina Grande, João Pessoa, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo. Elas também já participaram de uma exposição na feira Mundial de Hannover, na Alemanhã.
A artesãs se reunem em sua sede própria, a “Casa da Boneca Esperança”, localizada na Comunidade de Riacho Fundo, onde também ficam expostos seus trabalhos.
Elas formaram uma associação, garantindo emprego e renda para vários moradores com a comercialização das bonecas de pano, que tanto nos orgulham.
No detalhe da foto, vemos a capela de Riacho Fundo.

Rau Ferreira

Fonte:
- Livro “Conheça Riacho Fundo”, de Edileuza Emídio Gonçalves e Lucilene Balbino Apolinário, Esperança/PB, 2000;
- Site: Ponto Solidário, texto “Boneca Esperança”

disponível em http://www.pontosolidario.org.br/boneca_esperanca.htm, acesso em 06/09/09;
Site: Portal do Governo, texto “Bonecas de pano encantam estrangeiros”
disponível em http://pab.desenvolvimento.gov.br, acesso em 06/09/09.

Comentários

  1. Tive oportunidade de ir a Riacho fundo e fazer uma materia sobre a Boneca da Esperança! vale salientar que a Boneca da Esperança esteve na premiação de cannes na FRança. como? não sabe? foi feito uma cadeira chamada multidão com 300 bonecas para os ganhadores desse prêmio se sentarem e falarem. É um trabalho muito Bonito e vale a pena conferir!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…