Pular para o conteúdo principal

Dogival Belarmino Costa

Dogival Belarmino Costa, Dogival Costa como era mais conhecido, nasceu no dia 20 de abril de 1908, sendo filho do casal Silvino Belarmino da Costa e de Ana Pereira da Costa.
Casou-se em primeiras núpcias com Rita Dias Costa, tendo por sogro o famoso Candido Raimundo Freire, um dos homens mais ricos da antiga Vila de Esperança e um dos primeiros a possuir um rádio receptor.
Viúvo, contraiu segundas núpcias em 10 de Outubro de 1955, pelo regime da comunhão de bens, com a Sra. Maria das Neves Cunha, nascida em 10/10/1923, filha de João Celestino da Silva e de Carolina Maria da Cunha.
Com o matrimônio, sua cônjuge passou a chamar-se Maria das Neves Costa, que junto com o marido assumiu a comercialização de tecidos nas feiras livres e logradouros públicos. Mais tarde ela tornou-se uma importante artesã e fomentadora das atividades culturais de nossa cidade e professora da Escola de Artesanato local.
Como comerciante de roupas e tecidos, Dogival Costa fixou residência na Rua Juviniano Sobreira, nº 144, cuja residência faz um “L” com a rua Senador Epitácio (rua do boi).
Foi nomeado 2o Suplente de Juiz de Paz em 1948, e reconduzido pelo então Governador para o quatriênio seguinte.
Na política, exerceu a presidência local da ARENA (Aliança Renovadora Nacional), partido político surgido nos idos de 1965. E assumiu a vereança entre 1963 e 1969, pelo Partido Democrático Cristão1 (PDC), como o 3o mais votado.
Embora não constem dos arquivos do Cartório Eleitoral, registros históricos dão conta de que ele assumiu a vereança de 1949 à 1953, pois naqueles tempos as eleições não eram uniformes nem gerais, e muitos assumiam os cargos por delegação.
Foi ainda vice-prefeito na gestão de Antonio Coêlho Sobrinho (1969-73).
Ele foi um grande incentivador para a permanência do ‘SESP’ em Esperança, além de haver assumido a presidência daquela casa legislativa por longo período.
Tornou-se membro da Aug.: e Resp.: Loja Maçônica “Branca Dias”, Nº 01, da Grande Loja do Estado da Paraíba, com sede em João Pessoa, galgando o 12o Grau de Mestre Maçon.
Faleceu em sua residência no dia 18 de Setembro de 1979, às 6:00 horas da manhã, vítima de insuficiência cardíaca (enfarto do miocardio), atestado pelo médico Manuel Cabral de Andrade Júnior, e foi sepultado no Cemitério público desta cidade.
Contava 71 anos de idade e deixou os seguintes filhos: Nilzo, Everaldo, Fernando, Elza e Elzo.
1 Surgido em 1962, juntamente com o PDT, para disputar as eleições municipais do ano seguinte.

Rau Ferreira

Fonte:
- Arquivo pessoal e familiar, documentos, portarias e nomeações.

Comentários

  1. Falar de meu pai, e com muito orgulho e carinho que tenho, deu um bom exemplo para todos de Esperança, era honesto e compridores dos seus atos e ações, seu nome ficará na memoria de todos. saudades.

    sua filha Elza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.